No Viomundo, ex-deputado federal enfatiza que “governo não é para criar caos”.

Por Vivaldo Barbosa*

Ao longo da história dos povos e dos Estados, observa-se que os governos procuram manter a ordem interna e a estabilidade para evitar caos, que pode levar à erosão da sua própria autoridade.

Em momentos, é feito por meio do funcionamento das instituições, em outros até pela força bruta.

Não há exemplos nem situações de os próprios governos procurarem criar o caos. Seria o sumo da insensatez.

As grandes revoluções, sim, podem ser geradas em meio ao caos que muitas vezes as alimentam para atingir as transformações que pretendem.

No Brasil de hoje, o governo de Bolsonaro e seus filhos fabrica caos a todo momento.

Noticiou-se que Bolsonaro viu, de madrugada, uma manifestação insensata de alguém contra a vacina chinesa por ser chinesa, seria uma vacina comunista.

No dia seguinte, Bolsonaro decreta que não vai comprar a vacina chinesa.

Transforma a manifestação de um insano em política pública, em decisão de governo. Isso depois de o seu ministro da Saúde tê-lo avisado que acabara de ordenar a compra de milhões dessa vacina.

E o povo brasileiro aguardando ansioso, como todo mundo, a salvação pela vacina, vê seu presidente tomar atitude dessa natureza.

Bolsonaro ataca governadores e prefeitos a toda hora, gerando desencontros e ausência de entrosamento administrativo.

Nem no momento que o Brasil e o povo brasileiro mais precisavam de entrosamento entre todas as esferas administrativas diante da eclosão do coronavírus, o presidente procurou articular uma política nacional de enfrentamento da pandemia.

Ao contrário, ele e seus filhos ficaram dando cotoveladas a toda hora até em ministros.

Os próprios ministros vivem trocando cotoveladas.

Dois ministros da Saúde foram defenestrados. E, agora, para culminar, o general ministro da Saúde, de tantas estrelas, disse que não conhecia o SUS.

Um general dizer que não conhece a Constituição brasileira, pois o SUS está lá, é estarrecedor!

Sempre foi da formação do oficialato brasileiro o estudo do País, do povo, da nossa cultura, do nosso território, nossas riquezas, nossos interesses, das nossas instituições.

Com a conquista do poder político e administrativo, com o golpe em 1964, passaram a se interessar mais por cargos e nomeações.

Outro dia, um general chefe foi flagrado tentando nomear a filha para alto cargo em Brasília.

É preciso reconhecer que em mais de treze anos de governos de esquerda, não se procurou retomar a orientação nacional das nossas Forças Armadas.

É impressionante verificar que os generais que estão no Palácio e no comando de tanta coisa aceitem que o capitão presidente seja o maior criador de caos no País.

O capitão foi jogado pra fora cedo, não pôde fazer os estudos necessários, mas os generais de muitas estrelas deveriam ter estudado as questões fundamentais da sobrevivência dos Estados e do funcionamento dos seus governos.

Outro dia o general que já foi porta-voz e hoje é crítico disse que deveriam ser menos bajuladores e conhecer as lições das batalhas, como das Guerras Púnicas de Roma contra Cartago, lembrou.

Vale a pena relembrar outro exemplo de um dos maiores generais de todos os tempos, quando feito governante, estadista: Napoleão Bonaparte.

Todos os generais certamente estudaram muito Napoleão, ou deveriam.

Napoleão, feito cônsul após o 18 Brumário, procurou pacificar as correntes internas que vinham em atritos desde a Revolução de 1789, para evitar conflitos e tensões.

Das primeiras medidas foi pacificar as relações com a Igreja Católica, que tivera terras expropriadas e distribuídas pela Revolução, igrejas fechadas, bispos e padres submissos ao Estado.

Procurou o Papa de então (o anterior havia sido preso pelas forças de Napoleão e morto na prisão) e celebrou com ele uma Concordata.

E fez entendimentos até com grupos monarquistas, procurou se acertar com áreas mais radicais.

Como general, Napoleão havia combatido batalhas.

Como estadista, governante, sabia que precisava governar, fazer a administração pública funcionar para atender às necessidades do povo. Sabia que não podia criar caos.

Ao contrário, o governante deve procurar propiciar estabilidade. Os generais do Palácio deveriam saber disto.

Nossas aflições ficam maiores quando vemos os presidentes da Câmara e do Senado concentrados em procurar contornar as regras proibitivas de suas reeleições e em aprovar as medidas neoliberais de desmonte do Estado, retirada de direitos e desnacionalização da nossa economia.

Anularam o Congresso Nacional, sem plenário, sem comissões, sem debates.

Ambos do DEM, partido que apoiou a ditadura e, juntamente com o PSDB, constituem o mais forte grupo político neoliberal. E boa parte dos ministros do STF transformados em atores nos meios de comunicação a dar respaldo aos acontecimentos.

Nossas instituições de contenção não desempenham seu papel.

Faltam só dois anos. Ainda bem.

* Vivaldo Barbosa é advogado,  professor e coordenador do Movimento O Trabalhismo. Brizolista e trabalhista histórico, foi deputado federal constituinte pelo PDT e secretário da Justiça de Brizola.



AJUDE O VIOMUNDO A SOBREVIVER

Nós precisamos da ajuda financeira de vocês, leitores, por isso ajudem-nos a garantir nossa sobrevivência comprando um de nossos livros.

Rede Globo: 40 anos de poder e hegemonia

EDIÇÃO LIMITADA

R$ 79 + FRETE

O lado sujo do futebol: Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!

R$ 40 + FRETE

Pacote de 2 livros – O lado sujo do futebol e Rede Globo

PROMOÇÃO

R$ 99 + FRETE

A GENTE SOBREVIVE. VOCÊ LÊ!