Presença de Greta em Nova York carimba em Bolsonaro o papel de vilão do clima; Vaticano dispara míssil contra fake news amazônica.

Da Redação, com vídeos e fotos das redes sociais –  Três milhões de pessoas em três mil cidades de 160 países, calculam os organizadores. A campanha da adolescente sueca Greta Thunberg, 16 anos de idade, floresceu.

Foi a Terceira Greve do Clima, que atraiu manifestantes — especialmente adolescentes — às ruas para dizer que não existe planeta B, às vésperas da Cúpula de Ações Climáticas das Nações Unidas, marcada para acontecer segunda-feira, em Nova York.

O Brasil será representado na reunião pelo governador de Pernambuco, Paulo Câmara, que falará em nome do Consórcio Nordeste.

O governo Bolsonaro não foi convidado.


Na terça-feira, o presidente Jair Bolsonaro abre a Assembleia Geral das Nações Unidas com o filme queimado.

Os Estados Unidos são os maiores poluidores do planeta, produzindo 16,5 toneladas métricas de gás carbônico per capita em 2014, de acordo com o Banco Mundial.

A China produziu 7,5 toneladas per capita, contra apenas 2,6 do Brasil, que está abaixo da média mundial de 5,0.

Porém, se o Brasil não polui tanto, tem em seu território, na Amazônia, a capacidade de absorver gás carbônico indisponível em outras partes do globo.

É por isso que Bolsonaro ingressou nas últimas semanas na categoria de vilão do clima, ao lado de seu grande parceiro Donald Trump — segundo o qual, moinhos de vento causam câncer.

O plano paranoico do governo Bolsonaro para desenvolver uma região específica da Amazônia, no Pará, sem consultar as populações locais, é a mais recente demonstração da enorme distância entre setores da caserna que produziram Bolsonaro e a realidade.

Nem parece que a ditadura militar acabou. Bolsonaro está tentando enfiar o plano goela abaixo dos brasileiros através do apoio de empresários locais, de acordo com denúncia do Intercept Brasil.

O plano foi gestado sob o comando do coronel reformado Raimundo César Calderaro e considera indígenas, quilombolas, ambientalistas, ONGs, jornalistas e imigrantes chineses que vivem no Suriname como ameaças à integridade física do Brasil.

“Eles” estariam dispostos a relativizar a soberania brasileira sobre a região ou a impedir o desenvolvimento local a qualquer custo.

Ah, faltou falar da Igreja Católica.

Nas redes sociais, bolsonaristas dizem que o Sínodo dos Bispos sobre a Amazônia, que acontece de 6 a 27 de outubro, no Vaticano, será um passo para formar um país independente na região.

Com os robôs funcionando a todo vapor para espalhar a mentira, o Vaticano tomou a decisão extraordinária de fazer um desmentido formal, em vídeo (veja acima): “Piada”.

Greta participou da Greve do Clima em Nova York. A figura física dela e a mobilização de milhões de adolescentes fará aumentar o contraste com o discurso atrasado e anticiência do líder brasileiro.

Jair Bolsonaro não deve encontrar a nova líder ambientalista durante a viagem aos Estados Unidos.

Vai jantar com o colega Donald Trump.

Faz todo sentido.