O ex-presidente Lula deu entrevista ao jornalista Bob Fernandes, da TV Educativa da Bahia, a primeira desde que o STF barrou sua transferência para Tremembé, em São Paulo, que havia sido autorizada pela juíza Carolina Lebbos.

A entrevista foi ao ar em mais um dia conturbado da política brasileira, em que o presidente Jair Bolsonaro confirmou ter censurado dois filmes com temas LGBT que já haviam sido aprovados pela Agência Nacional do Cinema (Ancine) e tentou colocar um aliado na superintendência da Polícia Federal do Rio de Janeiro, batendo de frente com a própria instituição.

“Quem manda sou eu. Ou vou ser um presidente banana?”, disse Bolsonaro sobre a indicação de Alexandre Silva Saraiva, lotado hoje em Manaus. Saraiva chegou a ser cotado para ministro do Meio Ambiente de Bolsonaro.

Porém, a Polícia Federal já havia anunciado que o posto seria de Carlos Henrique de Oliveira Souza, que está em Pernambuco.

Os dois disputam o lugar de Ricardo Saadi, que teria desagradado a família Bolsonaro, razão pela qual o presidente da República se antecipou e anunciou em entrevista que Saadi seria transferido por enfrentar problemas de “gestão” e “produtividade”.

Em nota, foi desmentido pelo próprio Ministério da Justiça, que informou que Saadi estava de mudança para Brasília a pedido.

O Rio de Janeiro é a base eleitoral da família Bolsonaro e é onde o Ministério Público Estadual investiga o agora senador Flávio Bolsonaro por envolvimento com Fabrício Queiroz, ex-assessor suspeito de ser laranja da família.

Mais tarde, o próprio Bolsonaro deu uma de “banana” sobre a indicação: “Eu sugeri o de Manaus. Se vier o de Pernambuco, não tem problema, não”.

O dia foi marcado também por movimentos políticos antecipados em relação à sucessão presidencial: Joao Doria recebeu o deputado federal Alexandre Frota no PDSB e Bolsonaro atacou Luciano Huck por críticas que o apresentador da TV Globo fez ao governo dele.

“Ele falou que eu sou o último capítulo do caos. Se ele comprou jatinho, então ele faz parte do caos. Ajudou naqueles empréstimos de quase meio trilhão de reais, amigo Fidel Castro, Venezuela, essa galera aí. E aqui no Brasil, me parece, foram R$ 2 bilhões (do BNDES) para amigos comprarem jatinho”, disse o presidente sobre Huck.

O apresentador de TV usou R$ 17,7 milhões do BNDES para financiar 85% de seu jatinho particular.

Se Bolsonaro for impedido antes de completar metade do mandato, novas eleições seriam convocadas.

Da cadeia, Lula fez duros ataques tanto a Bolsonaro quanto ao ministro da Justiça Sergio Moro.

Frases da entrevista (não estão em ordem cronológica):

O Bolsonaro foi o monstro que surgiu porque a Globo não teve coragem de lançar o Luciano Huck. Foi o “já que não tem tu, vai tu mesmo”.

Eles querem criminalizar o PT por ser o maior partido de oposição no país.

Eu queria pedir desculpas por ter chamado o Bolsonaro de doido. Eu fui grosseiro com os doidos.

Eu provei que é possível consertar esse país. E fizemos isso colocando dinheiro na mão do pobre, com muita política social.

Eu nunca conheci o Dallagnol porque ele nunca teve coragem de me encarar em uma audiência. Mas ele deve acordar todo dia e, primeiro, pedir a benção pro Moro. Depois se olhar no espelho e falar “espelho, espelho meu…”. É um narcisista.

Se eu sair daqui eu não vou pra rua pra falar mal dos outros. Eu vou rodar o país levantando a auto estima desse povo. Se eles têm medo de mim, saibam que não vou me calar. E quero minha inocência.

A única coisa que eu espero é que esse país volte a ser uma nação que preserve o Estado Democrático de Direito. As pessoas precisam voltar a acreditar na Justiça.

Tem quatro pessoas que sabem que eles estão mentindo: Deus, eu, e os próprios: Dallagnol e Moro.

O Dallagnol fez aquele power point e não teve a coragem de ir em uma audiência.

Não estou precisando de favor, estou precisando de justiça. Só quero que as pessoas leiam os autos do processo.

Desafio Moro, Dallagnol, CIA, FBI e Nasa a mostrarem uma prova contra mim. Podem investigar da Lua.

Eu espero que esse cidadão que o Bolsonaro colocou agora no BNDES denuncie! Denuncie que emprestamos 200 milhões para catadores. Eles merecem! E são melhores pagadores do que muitos.

O que mata o pobre não é a taxa Selic de 6.5%, é a taxa do cartão de crédito a 300%. E é disso que temos que cuidar. É por isso que temos que ter banco público forte.

Quando Dallagnol disse que não tinha provas mas tinha convicção, o Conselho Nacional do Ministério Público deveria ter pedido a exoneração dele.

Eu vi outro dia um discurso inacreditável do Bolsonaro, desrespeitando a Argentina, que é o principal parceiro comercial dele. Ele acha que o bom pra Argentina é o Macri, que elevou a inflação pra 74%?

Olhar pra África é ser generoso, é o pagamento por 300 anos de exploração da inteligência africana em nosso país.

O Brasil não pode ficar dependente de nenhum país, tem de ter relações com todos, respeitar todos. Um país que quer ser protagonista internacional tem que ser generoso.

A Rede Globo de Televisão não sabe mais viver sem a grade da destruição política deste país.

Você acha normal uma Polícia Federal, que vai na minha casa, vai na casa dos meus netos e pega um tablet de um moleque de 4 anos de idade? E ficaram um ano com ele aqui preso e não tiveram coragem de pegar o telefone do Eduardo Cunha porque o Moro falou ‘não pega o telefone’. O que que tinha no telefone do Eduardo Cunha que o Moro não queria que ninguém soubesse? Por que que não aceitaram a delação do Eduardo Cunha? Tudo isso o senhor Moro tem que explicar e não tem mais toga. Ele se escondeu atrás da toga e agora não tem mais toga. Ele virou um cidadão comum e ele tem que se explicar para a sociedade brasileira.

Confira a entrevista completa do ex-presidente Lula ao jornalistas Bob Fernandes:

 

Veja a íntegra no Viomundo