Valeriano questionou prefeito sobre suposto superfaturamento na compra de cestas básicas e o por que Naves mora num sítio cujos donos são os mesmos que fazem negócios milionários na prefeitura de Anápolis.

 O tempo esquentou no debate realizado no sábado pela Rádio Manchester 93,3 FM em Anápolis, quando o advogado Valeriano Abreu, candidato a prefeito pelo PSL, cobrou explicações sobre supostas irregularidades do prefeito Roberto Naves (PP), candidato a reeleição.

No quadro onde candidato pergunta a candidato, Valeriano questionou Naves sobre temas específicos:

1 – “Candidato, acho que é a oportunidade mais uma vez para o senhor explicar o que o sr. fez com os R$ 57 milhões que o (presidente) Bolsonaro mandou para Anápolis para as ações da pandemia?”

2 – “Por que o sr. comprou cesta básica com valor superfaturado?”

3 – “Por que fez permuta no terreno da Escola Agrícola, com grande perda para prefeitura, e a família com a qual o sr. fez esta permuta é exatamente (a mesma) dos donos da chácara onde o sr. mora hoje?”

 

O  prefeito Roberto Naves respondeu:

“Primeiro quero agradecer o presidente Jair Bolsonaro, por ter junto com o Congresso e o Senado ter enviado estes recursos aos municípios e foi de grande valia aos municípios para combater a pandemia. Mas temos a certeza de que temos o melhor e que nenhum anapolino morreu por falta de atendimento.

 

Na réplica Valeriano observa que Roberto Naves não respondeu as perguntas e fez outro questionamento grave:

“Bom, nós vemos que o candidato não responde as perguntas, infelizmente nós não temos aqui as respostas para os questionamentos que apresentamos. Outra observação, que eu gostaria de perguntar candidato: Por que o João Curador (João de Deus), toda semana ficava no seu gabinete, antes dele ser preso nas operações aí”, cutucou.

Valeriano esclarece que na questão da compra das cestas básicas fez o orçamento dos mesmos itens, e o custo foi R$ 67,00 mas a prefeitura pagou R$ 85,30, o que ele considera preço superfaturado.

E mais uma vez Valeriano perguntou:

“O sr. fez permuta do terreno da Escola Agrícola para instalar um Daia Municipal perdendo mais de R$ 9 milhões. O sr. hoje mora na chácara que é do George Hajjar que é o mesmo que vendeu a cesta básica para a prefeitura, o mesmo que negociou o terreno, que fez a permuta e que aluga galpões para a prefeitura. Isto não é colocar a casa em ordem”, provocou Valeriano.

O debate durou cerca de duas horas e meia e teve a presença de sete dos nove candidatos: Roberto Naves (PP), Antônio Gomide (PT), Valeriano (PSL), Márcio Corrêa (MDB), João Gomes (PSDB), Josmar Moura (PRTB) e José de Lima (PATRI). Não estiveram presentes os candidatos Douglas (PSOL) e Delegado Humberto (PSD).

 

Naves repete Ademar

Esta postura de Roberto Naves coincide com a mesma que levou à derrota de Ademar Santillo (PMDB) em 1992. No último debate daquela campanha, na TV Tocantins, o deputado estadual Wolney Martins (PPB) perguntou a Ademar se ele tinha fazenda em Porangatu. Ante a negativa do peemedebista, Wolney mostrou cópia da escritura às câmeras. O eleitor interpretou que Ademar errou e deu a eleição a Wolney.

O tempo é curto.  As eleições são no domingo. Até lá o prefeito deverá esclarecer às indagações, ou correr o risco de ver a sua tentativa de reeleição ir para o ralo.

 

Confira o vídeo com as perguntas: