Em entrevista à TV Cultura, o médico Arnaldo Lichtenstein associa medidas contra o isolamento praticada pelo presidente e pelo ministro Paulo Guedes à tentativa deliberada de morte de idosos e pessoas com doenças crônicas.

Arnaldo Lichtenstein (46), médico, é clínico-geral do Hospital das Clínicas e professor colaborador do Departamento de Clínica Médica da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP). Em entrevista ao Jornal da Cultura, ele analisou que a política deliberada contra o isolamento praticadas pelo presidente Jair Bolsonaro e do ministro da Economia, Paulo Guedes, tem nome: Eugenia, que foi praticada pela Alemanha Nazista.

O entendimento do Dr. Arnaldo é que a  eugenia praticada por Bolsonaro e Guedes visa “livrar” o Estado, de “gastos” com o pagamento de aposentadorias, tratamento de pessoas com doenças crônicas (diabetes, cardiopatias, hepatias e distúrbios mentais). Este mesmo tipo de política foi aplicada na Alemanha Nazista, no período de domínio de Adolf Hitler (1933-1945) e produziu os horrores que a humanidade conheceu após o fim da Segunda Guerra Mundial.

“O que  acontece quando as pessoas não defendem o isolamento: as pessoas não fecham o comércio, a economia não para, o governo não precisa colocar dinheiro na economia. As pessoas que vão morrer- muitas são os idosos – aí tem a fala: mas iam morrer mesmo! Ou (vão morrer) as pessoas que já tem doenças, ou que já estavam doentes. E vão ficar os jovens e atletas. Então se a gente pegar pedaços da fala tem uma lógica intensa. Isto se chama eugenia. Lembre-se de que sistema mundial e político usava isso. Quando você “que morram os vulneráveis, para gente ter uma geração saudável”, pode ser que esteve permeando esta história de “vamos acabar logo com esta tortura, não vamos ter o derretimento da economia”, é uma coisa muito mais perversa do que simplesmente não acreditar na ciência. É um outro tipo de teoria que pode ser muito pior do que isto”.

O que foi a Eugenia Nazista

A Eugenia Nazista consistia na construção de uma sociedade “perfeita” eliminando-se pessoas consideradas “indesejáveis”, como deficientes mentais.

De acordo com o site História do Mundoeugenia  vem do termo que vem do grego e significa “boa origem”. Hitler, auxiliado por um de seus principais oficiais, Heirich Himmler, e por um grupo de médicos e outros cientistas que apoiavam o Reich, levou a cabo um projeto que tinha o propósito de “purificar” a sociedade germânica dos “seres indesejáveis”. Entre esses seres indesejáveis estavam aqueles que viviam confinados em hospícios e asilos. Além disso, crianças que apresentassem algum problema grave de saúde e deficientes físicos integravam também essa lista de “indesejáveis”.

O historiador Philippe Burrin descreveu em seu livro “Hitler e os Judeus” como, antes mesmo da Segunda Guerra ter início e dos campos de concentração promoverem a morte em grande escala, Hitler e a sua “elite eugenista” faziam os experimentos para a sua “solução final”. Diz Burrin:

[…] Solicitado por um casal que lhe pedia para autorizar a morte do filho incurável, Hitler respondeu favoravelmente. Decidiu então que o mesmo destino seria imposto sem apelação a todos os recém-nascidos portadores de deformações ou anormais. No dia 18 de agosto de 1939, uma circular do Ministério do Interior obrigava os médicos e parteiras do Reich a declarar as crianças que sofriam de uma deformidade. Reunidos em seções especiais, elas foram mortas pela injeção de drogas ou pela fome.”

Em outro trecho do livro, Burrin destaca a decisão de aplicar o método eugenista, que era cinicamente tratado pelos nazistas como “eutanásia”, a doentes mentais. Descreve o autor:

No início do outono de 1939, Hitler decidiu pôr fim também à ‘existência indigna de ser vivida dos doentes mentais’. Uma ordem correspondente foi dada inicialmente de forma verbal, depois, no decorrer do mês de outubro, por meio de uma carta cuja data foi antecipada para 1° de setembro de 1939. Hitler não confiou a direção desta operação, impropriamente qualificada de “eutanásia”, a Himmler, mas a uma de suas secretárias, a chancelaria do Führer, cuja tarefa consistia em princípio em receber as solicitações particulares.”

A chancelaria de Hitler passou a desenvolver mecanismos sigilosos de aplicação da eugenia, desde a elaboração de listas de pacientes esquizofrênicos, epilépticos, paralíticos e psicopatas até a criação de uma empresa destinada a transportar as pessoas dos hospitais para os centros de eutanásia, onde seriam mortas por gás tóxico. Continua Burrin:

[…] Depois de algumas experiências, foi estabelecido um procedimento uniforme, que consistia em mandar que as vítimas se despissem ou despi-las e levá-las numa sala com falsas duchas onde elas seriam asfixiadas por monóxido de carbono. Os cadáveres eram queimados num forno crematório, depois que lhes eram arrancados todos os dentes de ouro. Um atestado de óbito era enviado às famílias após um processo de complicada camuflagem, a fim de evitar o anúncio simultâneo de inúmeros decessos numa mesma localidade. Em pouco menos de dois anos, a empresa fez mais de 70 mil vítimas.

Na mesma época em que praticavam essas atrocidades, Hitler e seu alto escalão de oficiais também preparavam o isolamento e o extermínio de judeus, ciganos, poloneses e outros tipos de pessoas que julgavam inferiores ou, de algum modo, nocivas. Ao fim da guerra, em 1945, seis milhões de pessoas haviam sido mortas nos campos de concentração.

 

Leia também:

Apoiadores de Bolsonaro fazem gesto que lembra saudação nazista ao presidente