O presidente Lula comentou em entrevista à Rádio Difusora do Maranhão, e também  pelo twitter, que escolheu ser cabo eleitoral nas próximas eleições. Ele comentou as posições de Ciro e Marina, que não querem aliança com o PT e sinalizou que pode apoiar as candidaturas do ex-ministro Fernando Haddad (PT) ou o governador do Maranhão, Flávio Dino (PC do B).

“Eu já disse que não preciso ser candidato outra vez, apesar de achar que vou viver até os 120 anos kkkk… O PT tem muita gente boa, tem o companheiro @Haddad_Fernando e  o PCdoB tem o @FlavioDino  . Eu quero ser cabo eleitoral, declarou Lula no twiiter.

“A Marina escolheu outro caminho. Que Deus a abençoe. O Ciro decidiu que quer o voto de quem odeia o PT. Que vá com Deus. Se for possível construir um projeto pra reconquistar a democracia, tamo junto. Mas na eleição cada um vai tocar seu projeto”, disse Lula noutra postagem.

Lula indica que pode apoiar Flávio Dino para a presidência em 2022

Em entrevista à Rádio Difusora do Maranhão, Lula analisou que o processo de ódio e de ataque à classe política é o mesmo que deu origem a regimes autoritários no passado. “É o ódio. É o resultado da negação da política. Político não presta, político é isso, político é aquilo. Assim nasceu Hitler, assim nasceu o fascismo e assim nasceu o Bolsonaro. O Bolsonaro é resultado da negação da política nesse país”, afirmou.

O ex-presidente também lamentou atitude da Rede Globo, que repercutiu seu pedido de desculpas após uma declaração assumidamente infeliz sobre o coronavírus, mas não exibiu o vídeo-reposta.

“Tenho 74 anos, quase 50 anos de vida pública. Me eduquei pra não perder o sono com as coisas que a Globo fala de mim. Nem direito de resposta a mim mesmo eles deram”, completou.

Lula comentou sobre os anos do PT na presidência da República:

 

  • “Eles falam que o PT quebrou o Brasil. O Brasil só não decretou falência porque o PT deixou 378 bilhões de dólares em reservas internacionais. É isso que tá salvando o país”.
  • “Em 2010 o Brasil era o país mais feliz do mundo. O povo comia pelo menos 3 refeições. O pobre tava entrando na universidade. Empregada doméstica tinha carteira assinada. Esse é o fato”
  • Tenho oito anos de biografia como presidente da República. Estou muito preocupado com todas as bobagens que tenho visto e ouvido o Bolsonaro falar. Temos que investir na ciência para que o povo brasileiro volte a dormir tranquilo.

Confira a íntegra da entrevisa vídeo abaixo: