Em sua apresentação inicial na Comissão Parlamentar de Inquérito da Covi no Senado, na manhã desta sexta-feira a cientista Natália Pasternak diz que é criminosa a  pregação do presidente Jair Bolsonaro em favor da cloroquina.

“Cloroquina é uma mentira espalhada pelo governo federal e pelo Ministério da Saúde e ela mata”, disse Pasternak, que apresentou telas de estudos científicos sobre a cloroquina. Com ironia fina, desmoralizou Bolsonaro: “Já testamos a cloroquina em tudo e não funciona. Só não testamos em emas porque elas fugiram”.

A microbiologista fez uma exposição detalhada dos estudos científicos sobre os efeitos do uso da cloroquina contra o novo coronavírus: “Cloroquina só funciona in vitro, em laboratório”. E completou: “O caminho que o vírus usa para entrar nas células é outro. Cloroquina não funciona para células do trato respiratório, não funciona em roedores, macacos e humanos”.

Para a cientista, a insistência no tema da cloroquina, que não existe como discussão global desde 2020, é “negacionismo da Ciência perpetuado pelo governo”. Ele explicou, diante de vários senadores negacionistas, que “a ciência não é uma questão de opinião. Não é uma questão de desrespeitar a opinião alheia. Mas a ciência vai em busca de fatos”.

 

Ela atacou o negacionismo com vigor: “Isso é negacionismo. Não é  falta de informação. É uma mentira.  No caso triste do brasil é uma mentira orquestrada pelo governo. Negacionismo é a propagação intencional da mentira. Não podemos nunca permitir que negacionistas ocupem posições de poder”.

Em seguida, o  médico sanitarista Claudio Maierovitch, ex-presidente da Anvisa e da Fiocruz fez sua exposição.