Por meio das redes sociais, moradores do Quilombo Queixo Dantas denuncia ação de grileiros que atearam fogo em áreas públicas que se limitam com as comunidades; na Chapada dos Veadeiros, bombeiros controlam fogo no Vale da Lua

Moradores da comunidade quilombola Filipanos Queixo Dantas, no município de Mimoso de Goiás, fazem um apelo desesperado nas redes sociais pedindo ajuda para controlar incêndio criminoso na região. Segundo relato dos quilombolas o fogo teria sido ateado por grileiros que invadiram as áreas próximas ao quilombo.

Pedido de socorro

Num áudio que circula no whatssap, uma moradora, que se identifica como Dona Antônia, “pede ajuda às autoridades para combater o fogo e punir os culpados pelo incêndio:

“Eu sou dos quilombolas do Filipanos Queixo Dantas,  no município de Mimoso, Goiás. A situação aqui está ruim, porque ontem (05/09) colocaram fogo na nossa comunidade aqui, e tem muito fogo que ninguém consegue apagar. Pegaram no flagra as pessoas que tavam pondo fogo, e a gente está mandando o vídeo para provar. O caso é sério e ninguém está acreditando, daqui uns dias só falta encontrar todo mundo queimado”, denuncia.

Segundo a moradora, “os grileiros estão tomando de conta, estão acabando com as comunidades e nós estamos pedindo socorro e ninguém quer socorrer. Vocês olhem para nosso lado enquanto é tempo”, alerta.

“Benefício não tem para nós não, mas prejuízo é o que tem. Vacas comem tudo que a gente tem, vem o fogo e leva o resto! E aí como vai ficar?”, questiona.

Vídeo denuncia crianças adoecendo pela fumaça

Em relatos de áudio e vídeo os quilombolas  contam que os supostos criminosos atearam fogo na mata ciliar que protegem o a nascente d´água do córrego que abastece a comunidade. O aumento da fumaça afeta crianças e idosos:

“Fizeram o favor” de por fogo na beira do córrego, queimou tudo. Nós corremos para salvar ao menos a caixa d´ água, porque o fogo vai passar comendo tudo. Vocês façam alguma coisa por nós. A fumaça está sufocando as crianças, está todo mundo ficando meio ruim.(…) Nós estamos fazendo um apelo, nós queremos que ajudem a gente, para gente quer ficar tranquilo no lugar onde vivemos a nossa vida inteira e queremos acabar de viver com os filhos da gente”, frisa

 

Área de conflito agrário

De acordo com a APA-TO,  Organização Não Governamental (ONG) ligada a Pastoral da Terra da Igreja Católica, o território quilombola de Mimoso tem um total dos 57.465 há, dos quais apenas 4.051 ha estão na posse dos Kalungas  do Mimoso, o restante  da área está sendo invadida por grileiros. O território está iniciando o processo de desintrusão, retirada  os grileiros que estão na área. Aproximadamente 15 % das terras invadidas possuem escritura, o restante é terra pública dos Estados de Goiás e Tocantins, as terras  escrituradas terão indenização de terra e benfeitoria e as terras públicas apenas das benfeitorias.

A área aguarda titulação, mas está a comunidade já tem reconhecimento, conforme a Portaria nº – 161, de 16 de setembro de 2013, que estabelece a Comunidade Mimoso (Queixo Dantas Flilipanos,  Tirifica, Bejo, Bom Jesus, Urubá e Retiro) localizada no município Mimoso de Goiás/GO,  como registrada no Livro de Cadastro Geral n.º 015, Registro n.1.926, fl.144 – processo nº 01420.007524/2013-76.

Veja também:

Vídeo: Incêndio atinge Vale da Lua e turistas são retirados às pressas