Presidente continua negando a gravidade da pandemia, ameaça ir ao STF contra medidas de isolamento dos governadores e volta a defender medicamentos sem eficácia científica para combater o coronavírus

Marcus Vinícius de Faria Felipe

O presidente Jair Bolsonaro continua sua cruzada negacionista. Ele anunciou que irá ao Supremo Tribunal Federal contra as medidas de isolamento social que estão feitas pelos governadores, que lutam nos Estados para frear a curva de ascensão da covid-19, que já está matando mais de 3 mil brasileiros por dia.

Silvio Kammer, 2o Sargento do Exército, e ajudante de ordem de Bolsonaro morreu vítima da covid-19, mas não mereceu sequer nota de pesar do Palácio do Planalto

A morte ronda o próprio Palácio do Planalto, mas o presidente proíbe que se comente o falecimento de Silvio Kammer. O Segundo Sargento do Exército, que era seu ajudante de ordens , teve sua morte silenciada, censurada. Não houve sequer uma nota de pesar, e os funcionários temem revelar nome de colegas que estão contaminados, por medo de desagradar do negacionismo genocida do inquilino do Palácio da Alvorada.

Não bastasse isso, Bolsonaro ameaça ir ao Supremo Tribunal Federal contra governadores que propõe o lockdown, e noutro momento de completa alienação fez live na noite de ontem, quinta-feira, 18, defendendo o uso do tratamento precoce – ivermectina, cloroquina e outras porcarias, comprovadamente ineficazes para combater o coronavírus.

A performance de Bolsonaro no vídeo é grotesca.  Ele ridiculariza as críticas ao tratamento precoce, chamando de “tratamento inicial”, cria “apelidos” para os remédios e noutra demonstração de que deve ser interditado do cargo por não possuir as mínimas condições mentais para gerir o país, se pôs a imitar um paciente que está ficando sem falta de ar.

“O apelo que eu faço a quem é contra (o tratamento precoce)… Sem problemas. Se você começar a sentir um negócio esquisito lá, você segue a receita do ministro Mandetta. Você vai para casa, e quando você estiver lá… (barulhos de alguém sufocando) com falta de ar, aí você vai para o hospital”.

Veja no vídeo

 

Enquanto o presidente delira, pesquisa do Datafolha mostra que a população começou a abrir os olhos: , 79% dos entrevistados pelo instituto declararam que a pandemia está fora de controle.

No Senado, após a morte do Major Olímpio (PSL-SP), senadores já falam em impechment que pode vir com a abertura da CPI da Pandemia.

Na Assembleia Legislativa de Goiás, deputados que no passado defenderam o presidente já começam a renegá-lo, com epítetos desairosos como “desgraça”, “irresponsável”, “incompetente”.

O desgaste de Bolsonaro também está sendo debitado na conta do governador Ronaldo Caiado (DEM), que recebe cada vez mais cobranças pela compra das vacinas. Está ficando cada vez mais caro ser aliado do presidente genocida.

Além de escritor, Monteiro Lobato era um ativistas. Suas principais bandeiras eram a nacionalização do petróleo e a modernização da agricultura. Para fixá-las na mente dos brasileiros produzia frase de efeito: “O petróleo é nosso!”, e noutra também exclamava: “Ou o Brasil acaba com a saúva ou a saúva acaba com o Brasil”! Estivesse vivo, Lobato cunharia outro slogan: “Ou o Brasil afasta Bolsonaro ou Bolsonaro mata o Brasil”.

Com informações do Poder360, DCM, Brasil247

 

Leia também:

Bolsonaro provoca governadores

 

Bolsonaro aciona STF para derrubar medidas restritivas em três estados