Presidente da Comissão de Constituição e Tecnologia do Senado, senador goiano aposta no reforço à pesquisa  e na parceria entre empresas e instituições de ensino para tirar o país da crise.

Para o senador Vanderlan Cardoso (PP), a implantação de parques tecnológicos em cidades polos poderá ser uma das soluções para a crise de empregos no país. Presidente da Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática (CCT), senador Vanderlan promoveu  audiência pública  na Comissão nesta quarta-feira (12) para debater os impactos dos parques tecnológicos no desenvolvimento regional.

A audiência reuniu reitores e representantes de várias universidades. Do estado de Goiás, participaram da audiência o reitor da Universidade Federal de Goiás (UFG), Edward Madureira; diretor da regional da UFG de Jataí (UFJ), Alessandro Martins; gerente dos Parques Tecnológicos do estado, Raulison Alves Resende; reitor da UEG, Ivano Alessandro Devila; Assessor de Projetos Estratégicos da Universidade estadual (UEG), Claudio Stacheira; o secretário de Ciência e Tecnologia de Aparecida de Goiânia, Cleomar Rocha; o diretor do parque tecnológico de Rio Verde, Alaerson Maia; o reitor do IFgoiano, Vicente Pereira; o secretário de Desenvolvimento Econômico de Goiás, Adriano Rocha.

Além desses ainda estavam presente o subsecretário da Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Marcio Cesar; a diretora da UFG regional de Catalão, Roselma Luchesi; o presidente da Frente Parlamentar Municipal dos Parques Tecnológios, vereador de Goiânia, Gustavo Cruvinel; a superintendente da Ciência e Tecnologia, Cristiane Taveira e o gerente do Programa de Startups Carlos Magno.

Proposta

Na opinião de Vanderlan Cardoso, os Parques Tecnológicos, que são espaços onde se concentram empresas, universidades, centros de pesquisa e laboratórios, vão dar o suporte para o desenvolvimento regional com a atração de empresas e, em consequência, a geração de emprego. Além disso, promove a integração das universidades e institutos federais com o mercado de trabalho.

“A ideia é gerar emprego e renda no setor de inovação que carece de mão de obra qualificada. O mercado precisa desses profissionais”, sustenta o senador goiano.

Durante cerca de 3 horas, os senadores e os internautas que acompanharam a audiência pública ficaram sabendo das atuais condições e os desafios dos parques tecnológicos do Brasil.

 

“Também tomamos conhecimento de que há no Brasil, 103 parques tecnológicos, sendo que desse total, 43 estão em operação, 37 estão sendo implantados e 23 encontram-se em fase de projeto”, aponta Vanderlan.

Vanderlan Cardoso destacou a qualidade dos técnicos convidados que, segundo ele, enriqueceu bastante os debates. Entre os debatedores estavam a superintendente da Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores (Anprotec), Sheila Pires, o diretor do Parque Científico e Tecnológico da Unicamp, Eduardo Amaral; o diretor de desenvolvimento de negócios do Parque Tecnológico de São José dos Campos (SP), Elso Alberti Júnior, o Superintendente de Inovação e Desenvolvimento da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUC-RS), Jorge Audy e o diretor-adjunto do Parque Tecnológico Metrópole Digital do Rio Grande do Norte, Rodrigo Romão do Nascimento.