Senador Vanderlan Cardoso participa da reunião mensal do Sindicato dos Condomínios e Imobiliárias de Goiás – Secovi-GO, com representantes do Sistema Fecomércio/Sesc/Senac, do Fórum Goiano de Habitação e Codese, na tarde e defende construção de via para desobstruir o trânsito no perímetro urbano da BR-153.

 

Vanderlan foi convidado pelos empresários para solicitar apoio a projetos que geram emprego e renda em Goiás e o foco da reunião foi a construção do Anel Viário da Região Metropolitana de Goiânia, desafogando o trânsito da zona urbana da Rodovia BR-153.

Para o presidente do Secovi Goiás, Ioav Blanch, Goiânia está ficando para traz em relação aos municípios que rodeiam a capital e o principal motivo é o erro no Plano Diretor do Município. “Goiânia está crescendo, hoje, apenas a metade do que cresce a Região Metropolitana. Nosso Plano Diretor falhou, pois contempla o desenvolvimento ao longo do Anel Viário e acontece que o Anel nunca foi concluído. Assim não tem como o município se desenvolver”, destacou.

Vanderlan lembrou que batalha pela construção do Anel Viário desde quando era prefeito em Senador Canedo, de 2005 a 2010, mas que nunca houve interesse real de autoridades competentes em resolver esse problema.

“Só eu, quando fui prefeito, estive no Ministério da Infraestrutura dezenas de vezes pedindo a construção desse Anel Viário. Mas nunca conseguimos os apoios necessários. Hoje estou do outro lado da mesa e vejo que podemos avançar”, informou o parlamentar.

A construção do Anel Viário é importante para a capital pois desafoga o trânsito intenso da área urbana da BR-153. Atualmente os motoristas demoram até 17 minutos para percorrer um trecho de apenas 1 Km. A velocidade média em alguns pontos da rodovia não passa de 3,5Km/h. Dessa forma, seria mais rápido percorrer a rodovia a pé, pois os pedestres caminham, em média, 4 Km/h. O problema é que, a pé, há sempre o risco de atropelamentos, e eles têm sido constantes.

São aproximadamente 54 mil veículos transitando diariamente pela área urbana da BR-153 em um espaço de 26 km, esses números foram apresentados pela Triunfo Concebra, a concessionária responsável pela rodovia. O resultado disso são os quase 1 mil acidentes ocorridos apenas em 2019, com uma média de quase 3 ocorrências por dia.

Segundo explicou o presidente da Secovi Goiás, essa situação gera prejuízos a toda uma cadeia produtiva e, por isso, está reunindo um grupo de empresários dispostos a ajudar a construção dessa via, para desviar o trânsito que hoje passa dentro da cidade.

“Já consegui um grupo de empresários que estão dispostos a disponibilizar uma parte das suas receitas para aplicar na construção do Anel. Também montamos um grupo com mais de 100 entidades para discutirmos e encontrarmos soluções para essa questão”, explica  o presidente do Secovi.

Ioav está apostando que o apoio do senador Vanderlan será decisivo para, finalmente, conseguir tirar do papel a construção desse desvio, que irá retirar o trânsito da BR-153. “Como o senador Vanderlan é ex-prefeito, sabe melhor do que a gente que a falta do Anel Viário está atrasando o Estado de Goiás, principalmente Goiânia e as cidades próximas. Precisamos juntar todas as entidades, o Governo Federal, Estadual, e o Legislativo. Ninguém consegue resolver isso sozinho.

Vanderlan Cardoso concorda que a união é o melhor caminho para essa questão e destaca o papel dos parlamentares para a solução desse e de outros problemas.

“A Bancada Federal Goiana está unida. Veja que atendemos a todos os pedidos do governador Ronaldo Caiado em 2019. Ele apresentou planilhas solicitando recursos para diversas obras em Goiás e nós atendemos todas. Então essa união vai ajudar a resolvermos essa questão do Anel Viário.

Sobre as cidades que serão beneficiadas com a construção da via, o senador lembra que precisa da parceria de todos os prefeitos. “Vejo um esforço muito grande do prefeito de Aparecida de Goiânia, Gustavo Mendanha, mas precisamos de todos. Então, a gente tem sim que dar as mãos e resolver isso agora, sem deixar para depois. Deve ser uma união suprapartidária, aliada à classe produtora, todo mundo junto. Só assim vamos conseguir resolver esse problema, que é muito antigo”, pontuou Vanderlan.