Carlos Bolsonaro está na mira da CPI da Covid, mas não será convocado a prestar depoimento, ao menos por enquanto, segundo informam Vandson Lima, Renan Truffi, Marcelo Ribeiro, Rafael Bitencourt e Isadora Peron, em reportagem publicada no jornal Valor Econômico.

Segundo os repórteres, o “G7”, grupo que detém a maioria dos integrantes do colegiado, pediu a quebra dos sigilos telefônico, fiscal, bancário e telemático do vereador, que é filho de Jair Bolsonaro.

O requerimento argumenta que o filho do presidente foi citado por testemunhas da CPI como figura presente em reuniões sobre a compra de vacinas por parte do governo brasileiro.

“Causa espécie o fato de um vereador ser chamado a participar e opinar em decisões que devem ser tomadas pelo governo federal, com o apoio de especialistas em saúde”, diz no requerimento o senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE).

Edição: Brasil247