Por conta dos atos de 7 de setembro em que o presidente Jair Bolsonaro voltou a fazer discursos antidemocráticos e questionar a lisura do sistema eleitoral brasileiro, o corregedor-geral da Justiça Eleitoral, ministro Luís Felipe Salomão, decidiu ampliar o escopo do inquérito instaurado no Tribunal Superior Eleitoral a seu pedido.

Segundo a Globonews, a corte vai apurar se houve financiamento dos atos, quem teria bancado transporte e diárias para manifestantes, e se isso pode ser considerado propaganda eleitoral antecipada.

inquérito foi anunciado pela corte no início de agosto com o objetivo de apurar fatos que possam configurar crimes eleitorais relativos aos ataques contra o sistema eletrônico de votação e à legitimidade das eleições em 2022.

Jair Bolsonaro interage com manifestantes no 7 de setembro, em Brasília Fábio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Foi por meio dele que o ministro Luís Felipe Salomão determinou a suspensão do repasse de valores de monetização de redes sociais a canais e perfis dedicados à propagação de desinformação sobre o sistema eleitoral brasileiro.

Agora, segundo a Globonews, a apuração quanto ao 7 de setembro visa apurar se houve abuso de poder econômico e político, uso indevido dos meios de comunicação social, corrupção, fraude, condutas vedadas a agentes públicos e propaganda extemporânea.

Fonte: Conjur