As secretarias de Saúde e Educação realizam ação na escola Tabelião Augusto Costa, no Setor Pontakayana. Imunizante protege crianças contra quatro tipos diferentes da meningite bacteriana.

A Prefeitura de Trindade, por meio das secretarias de Saúde e Educação, realizou ação para alunos da Escola Municipal Tabelião Augusto Costa, no Setor Pontakayana. Estudantes de 11 anos a menores de 13 anos receberam a vacina ACWY, contra meningite, nesta terça-feira (29/06).

O diretor de Vigilância Epidemiológica, Leonardo Izidório, esclarece que a escolha da unidade escolar se deu em face do grande número de alunos nesta faixa etária matriculados no local.

A vacinação também foi realizada, ainda neste mês de junho, no Colégio Aphonsiano, no bairro Santuário, por conta da grande demanda: a instituição abriga número elevado de estudantes com 11 anos ou idade inferior a 13 anos.

A vacina ACWY protege crianças contra quatro tipos diferentes da meningite bacteriana e também pode se encontrar em qualquer Unidade Básica de Saúde (UBS), do município, para qualquer criança dessa faixa etária.

“Essa é uma vacina muito importante, fundamental, porque a gente sabe que essa é uma doença grave, muito contagiosa”, afirma Soraia Brito, que levou a sobrinha para receber o imunizante. “E vindo para a escola, isso trouxe uma parceira muito legal, porque os pais já têm aquele vinculo de confiança”, observa. Para ela, essa vacina se tornou ainda mais importante neste momento de pandemia, tendo em vista evitar outros tipos de doença.

Tatiana Souza, diretora da Escola Tabelião Augusto Costa, mencionou a importância para a comunidade e a ação em conjunto entre as secretarias para a imunização dos alunos. Ela conta que, ao entrar em contato com os pais ou responsáveis, a equipe educacional informou o horário e qual era a vacinação.

“É muito importante essa parceira por conta da comunicação. Nós verificamos que muitos pais não sabem a data, qual é a vacinação e como acontece a campanha. E a escola tem sempre levado essa informação para amenizar o quantitativo de crianças não vacinadas”, disse.