Fernando Brito, no Tijolaço, divulga estudo da Faculdade de Medicina de Washington que grita para necessidade de isolamento social no Brasil.

É preciso confiar mais na ciência e menos nas fake news. O Instituto de Medições e Avaliações de Saúde ( IHME, na sigla em inglês) da Faculdade de Medicina da Universidade de Washington traçou um conjunto de projeções, com base nos dados oficiais, do que aguarda cada país em matéria do desenvolvimento da pandemia do novo coronavírus, cao não adotem medidas urgentes de isolamento social.

Mortes Brasil

Para o Brasil que desob és dece a quarentena estão previstos 88 mil mortos pelo Covid19 até 3 de agosto. Para Argentina, que adotou rigorosa quarentena um número infinitamente menor: 680 óbitos.

Mortes Argentina

Os nossos vizinhos “hermanos”, também estão muito melhores que o Brasil. No Chile a projeção até o inicio de agosto é de 687 óbitos pelo Covid29;  Colombia (2.141), Peru (6.378), México (6.848).

O jornalista Fernando Brito observa que a projeção de 88 mil mortes no Brasil até  02 de agosto, é o segundo maior número do mundo, perde apenas para os 147 mil óbitos previstos para os Estados Unidos.

 

Este é um valor mais provável, de um intervalo que vai de 30 mil a 190 mil vítimas, dependendo do isolamento social, da ampliação das redes hospitalares e na variação dos graus de contaminação de cada pessoa infectada.

 

Os gráficos permitem verificar as estimativas para cada país.

“As novas previsões do IHME para um número crescente de países em todo o mundo demonstram a ampla gama de respostas que os formuladores de políticas e autoridades de saúde tiveram diante da pandemia”, disse o diretor do IHME, Dr. Christopher Murray. “Nosso objetivo é informar suas decisões sobre a melhor forma de gerenciar e mobilizar o Covid-19.”

Isso, claro, argumenta Fernando Brito,  para países que não são dirigidos por um psicopata, que pode nos levar a situações ainda piores.

Abaixo está o link para conferir as estatisticas do  IHME:

 

https://covid19.healthdata.org/

 

Leia também no Tijolaço:

Ministério da Lama