Jornal britânico informa na sua manchete que “as fortunas das famílias aumentam à medida que super-ricos cavalgam tempestade de coronavírus” .

O The Guardian baseou sua matéria na informação do Banco Suíço UBS, que informa que os portfólios de 77% dos investidores mais ricos têm desempenho em linha com ou acima da meta. A legenda da foto a matéria estampa Jeff Bezos, e diz tudo: “Jeff Bezos, a pessoa mais rica do mundo e o fundador da Amazon, viu sua fortuna aumentar em US $ 75 bilhões até agora este ano, para US $ 189 bilhões

Bezos ganhou horrores com as compras de produtos via internet, mas enfrenta greve de funcionários e entregadores porque a empresa não provém equipamentos de proteção individual (EPI’s), para quem está na ponta, entregando mercadorias ou recebendo clientes, se arriscando todo dia enquanto Bezzos fica bilhões mais rico.

Bezos ganhou mais US$ 75 bilhões na pandemia. Foto: reprodução The Guardian

Segundo o The Guardian, “o número de pessoas super-ricas continua a crescer, apesar do impacto econômico da crise do coronavírus. Mais de 500.000 pessoas no mundo são classificadas como “ultra-ricas”, com fortunas de mais de US $ 30 Bilhões (£ 26,5 milhões). Isso significa que existem mais pessoas ultra-ricas do que as populações da Islândia, Malta ou Belize”, aponta.

Mas o The Guardian traz também a informação de que “nesta semana, um grupo de mais de 80 bilionários pediu aos governos que aumentassem permanentemente os impostos sobre eles e outros membros da elite rica para ajudar a pagar pela recuperação econômica da crise de Covid-19”.

Enquanto isso, no Brasil, quatro projetos para taxação das grandes fortunas estão parados no Senado, e uma dezenas deles engavetados na Câmara Federal. Estudo feito pela Fenafisco (Federação Nacional dos Auditores Fiscais) estima que a taxação sobre os mais ricos pode gerar R$ 100 bilhões em impostos para a União, impactando exatamente sobre o 1% mais rico do Brasil. Este recurso extra é importante para reerguer a economia durante a pandemia e também no pós-covid19.

 

Para ler a matéria no The Guardian CLIQUE AQUI