Um dos principais veiculos de comunicação do mundo das financas, a revista britânica The Economist,  critica presidente bradileiro por sua conduta contra o isolamento.

Bolsonaro apresenta sinais de insanidade mental, aponta a revista britânica The Economist, em reportagem publicada neste fim de semana. “Bolsonaro associou a retórica desafiadora à sabotagem ativa da saúde pública”, diz a revista.

“Os governadores dos estados mais importantes do Brasil foram adiante e impuseram bloqueios usando seus próprios poderes. Bolsonaro incentivou os brasileiros a ignorá-los. Um homem que teme a traição e tem uma necessidade perpétua de provocar, ele foi recebido com abraços e selfies em apoio a uma manifestação sua contra o Congresso em 15 de março”, lembra ainda a Economist.

Mesmo para seus próprios padrões, a violação de Bolsonaro de seu dever principal de proteger vidas foi longe demais. Grande parte do governo o trata como um parente difícil que mostra sinais de insanidade”, diz a revista.
“Bolsonaro é apoiado por um pequeno círculo de fanáticos ideológicos que incluem seus três filhos, pela fé de muitos protestantes evangélicos e pela falta de informações sobre a covid-19 entre alguns brasileiros. Os dois últimos fatores podem mudar à medida que o vírus atinge seu pico fatal nos próximos meses.”
Fonte: The Economist  – Edição: Brasil247