Jornalista com passagem pelos principais veículos da imprensa nacional, Ruy Nogueira escreve sobre uma experiência particular, envolvendo sua família, com o médium João de Deus. É o depoimento de um homem corajoso, de caráter, que lança luz nestes dias  sombrios em que predominam a hipocrisia, o dedurismo e as fake news.

Testemunho sobre João de Deus
Ruy Nogueira
Meu saudoso padrinho Saulo Ramos, ex-ministro da Justiça e um dos mais notáveis advogados da nossa história dizia que “a prova” testemunhal era a prostituta de todas as provas.
No momento em que o médium João de Deus, massacrado impiedosamente pela mídia sem uma prova material sequer é preso, cabe-me recordar o tratamento a que minha inesquecível Mãe foi por ele submetida durante quase uma década, com imenso êxito. Jamais foi atendida senão em público, frente à uma multidão de pessoas, acompanhada de um dos filhos, como aliás, João de Deus atendia a todos, e sem cobrar um centavo sequer.
A equipe de Silvano Raia e Sérgio Mies, os dois maiores médicos especialistas em fígado no Brasil, que trataram-na durante toda a sua luta contra a hepatite no badalado Hospital Albert Einstein, nunca viram alguém resistir tanto tempo e tão bem (sem dores ou sofrimentos) ao mais agressivo tipo daquela enfermidade.
E como ela, que tinha recursos e bom plano de saúde, foram também milionários e miseráveis brasileiros e irmãos de outros países,crianças, idosos, homens e mulheres.
O midiático médico que tratou o câncer de Lula se serviu do jatinho de empresário meu amigo para trazer até São Paulo João de Deus, sempre à noite, secretamente, para sessões de cura do grande ex-presidente.
Os tais milhões nas contas de João de Deus são da época em que era o maior comerciante de diamantes do Centro-Oeste um dos maiores do país, além de fartos presentes financeiros de gente como outro conhecido meu, milionário dono de shoppings-centers que atribui ao médium goiano a cura de sua esposa, já desenganada pelos médicos daqui e do exterior.
Espero que tudo se esclareça e que responsabilidades – se existentes – sejam apuradas e cobradas na forma da lei. Impunidade não! Mas não sendo boi, não me permito ser tangido no efeito manada pela mídia viciosa, tal qual o é a opinião pública viciada e analfabeta.
De toda forma e qualquer forma, que seja pública a gratidão tanto minha quanto de meus irmãos ao João de Deus. É questão de caráter!
Ruy Nogueira é jornalista e escritor