Em alguns estados houve alta de mais de 6.000%; questões respiratórias são a principal complicação da covid-19.

 

Nara Lacerda – Brasil de Fato – SP) – Os registros de morte por Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) aumentaram 1.012% desde o dia 16 de março no Brasil. A estatística se baseia nas Declarações de Óbito preenchidas pelos médicos que constataram os falecimentos. Sintomas respiratórios graves estão na lista de principais complicações causadas pelo coronavírus ao organismo humano.

Crescimento pode ser ainda maior, levando em consideração prazos legais para registro de mortes no país. – Robina Weermeijer/ Unsplash

 

:: Brasil chega a 66,5 mil casos de covid-19; no mundo, já são 3 milhões de infectados ::

Informações dos Cartórios de Registro Civil brasileiros indicam que em alguns estados a alta foi ainda mais expressiva do que a média nacional. Pernambuco teve 6.357% de aumento, seguido por Amazonas, com índice de 4.050%. No Rio de Janeiro as notificações subiram 2.500%, e no Ceará 1.666%.

São Paulo, estado que tem o maior número absoluto de infectados em todo o país, teve crescimento de 866%. No Rio deJaneiro foi expressiva também a alta de mortes por causas indeterminadas. Esse tipo de registro subiu em 8.533%.

:: Ministério da Saúde prevê pico do coronavírus no Brasil dentro de duas a nove semanas ::

Os dados estão disponíveis no novo Portal da Transparência do Registro Civil, lançado nesta segunda-feira (27) e administrado pela Associação Nacional dos Registradores de Pessoas Naturais (Arpen- Brasil).  Anteriormente, a plataforma trazia apenas as mortes suspeitas ou confirmadas por covid-19. Agora estão disponíveis também os registros por SRAG, Pneumonia, Septicemia, Insuficiência Respiratória e Causas Indeterminadas.

O método utilizado para contabilizar os casos segue os critérios hierárquicos do Código Internacional de Doenças (CID-10). Como primeira condição para que um óbito seja inserido na plataforma está a menção da covid-19 na certidão. Na sequência, são levadas em consideração menções de síndrome respiratória grave, Pneumonia, Sepse e Insuficiência Respiratória. O último critério é referente a mortes não classificadas em nenhuma das condições acima.

:: Em busca de respostas: o que a ciência ainda não sabe sobre o novo coronavírus ::

A Arpen – Brasil informa que os índices registrados podem ser ainda maiores. Isso porque a plataforma  traz um retrato fiel dos óbitos registrados, mas os prazos legais envio de informações aos cartórios pode ser de até 15 dias.

Edição: Leandro Melito