Deputados do PT de MT e MG pediram inquérito e  apotam grandes produtores rurais do Mato Grosso como financiadores dos atos antidemocráticos.

A deputada federal Rosa Neide (PT-MT) apoiou pedido do colega Rogério Correia (PT-MG), protocolado no gabinete do ministro Alexandre de Moraes do Supremo Tribunal Federal (STF), para que a PGR (Procuradora Geral da República) investigue o presidente Jair Bolsonaro pela promoção e participação em manifestações contra a Democracia e o Estado de Direito, em Brasília.

Rosa Neide assina protocolo que pede investigação do STF sobre atos pró-Bolsonaro

De acordo com o jornal Diário de Cuiabá, o alvo de Rosa Neide e Correia é o grupo denominado “300 do Brasil”.

No documento, os deputados afirmam que esse movimento de apoio ao presidente “tem inflamado seus seguidores, nas redes sociais, para a criação de grupos fascistas paramilitarizados, contando, inclusive, com treinamentos de combate”.

No final da tarde desta sexta-feira o ministro Alexandre Morais  autorizou pedido da Procuradoria-Geral da República (PGR) de instauração de um inquérito para verificar o esquema de financiamento e a natureza de atos antidemocráticos promovidos por bolsonaristas em Brasília.

No domingo, 3, foi realizado um ato em defesa de Jair Bolsonaro que pedia o fechamento do Congresso e da suprema corte. Os bolsonaristas também criaram no domingo um acampamento de treinamento fascista financiado por uma vaquinha na internet. Os atos no DF, porém, são recorrentes – ocorrendo quase semanalmente.

 

Patrocinando a violência

Em Mato Grosso, segundo a coluna “Cuiabá Urgente”, do Diário de Cuiabá, parte de empresários do agronegócio, que custeiam despesas com ônibus para levar apoiadores do presidente aos atos antidemocráticos.

Eles se organizam no  Movimento Ordem e Progresso, que  mobiliza para levar um grupo de pessoas à Brasília, no fim de semana, para reforçar uma nova manifestação pró-Bolsonaro.

Um ônibus especial já estaria garantido para levar os apoiadores,que vão participar do ato em frente ao Palácio do Planalto.

Rafael Yonekubo,entre Bolsonaro e Eduardo,foi candidato a deputado estadual pelo PST e organiza milicias fascistas para ir a Brasilia

Líder do grupo, o empresário Rafael Yonekubo revelou que um grupo de empresários e de produtores rurais de Mato Grosso está financiando a viagem dos bolsonaristas.

E que pediram para não ser identificados. Os últimos atos têm sido contra o STF e o Congresso Nacional.

Para analistas, esses empresários do agronegócio que patrocinam atos pró-Bolsonaro não deveriam esconder a cara.

Enquanto isso, os grupos Amaggi e Bom Futuro contribuíram com a compra de equipamentos para hospitais e com alimentos que foram distribuídos a famílias carentes, no combate ao coronavírus, no interior de Mato Grosso. ( Com informações do Diario de  Cuiabá e Brasil247).