Ministros do Supremo Tribunal Federal manifestaram-se com veemência hoje diante das revelações da Vaza Jato, feitas pela jornalista Mônica Bergamo, na Folha de São Paulo. Diálogos obtidos pelo site The Intercept, publicados por Bergamo, mostram que o procurador-chefe da Operação Lava Jato, Deltan Dallagnol, cometeu abuso de autoridade ao utilizar a Receita Federal para investigar a movimentação financeira dos ministros Gilmar Mendes e Dias Toffoli.

O ministro Marco Aurélio Mello, classificou como “inconcebível” o fato de um procurador da República de primeira instância buscar investigar atividades desenvolvidas por ministros do Supremo.  Ato contínuo, o  ministro Alexandre de Moraes de determinou a suspensão imediata de procedimentos investigatórios instaurados na Receita Federal contra autoridades públicas não provocados por processo judicial e afastar dois servidores que teriam violado indevidamente sigilos fiscais

Alvo de Dallagnol, o ministro Gilmar Mendes disse que a revelação de que o procurador-chefe da Lava Jato pratica pistolagem. E afirma que Dallagnol planejou investigação clandestina contra o ministro Dias Toffoli requer providências urgentes das instituições: “O Brasil está diante da maior crise que se abateu sobre o aparato judicial desde a redemocratização”.

“Com a publicação, hoje, desses diálogos, fica claro quem usou a Receita como um órgão de pistolagem. Como dizia Mario Henrique Simonsen, o trapezista morre quando pensa que pode voar”, enfatiza Gilmar Mendes.

O ministro do Superior Tribunal de Justiça, Humberto Martins, disse que os procuradores da Lava Jato “passaram dos limites”. Seu desabafo foi feito também a Mônica Bergamo ao tomar conhecimento da gravação onde Dallagnol e outros procuradores revelam que forçaram deleção premiada de diretores da empreiteira OAS com ilações sobre o ministro Martins.

Hacker

Na tarde de hoje, o  ministro Luiz Fux, do Supremo Tribunal Federal (STF), concedeu liminar (decisão provisória) para determinar que as mensagens apreendidas com os suspeitos de terem hackeado celulares de autoridades, como o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, sejam preservadas.

Na semana passada, Moro informou a autoridades que também foram hackeadas que destruiria as mensagens, obtidas de forma ilícita. A comunicação feita por Moro causou reação de ministros do STF e de especialistas em direito, que afirmaram que a decisão de destruir ou não o material não cabe ao ministro.

Diante das revelações, a presidente do PT, deputada Gleisi Hofmann informa que o partido apresentou nesta quinta-feira (1º/8) reclamação disciplinar no Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) contra o procurador Deltan Dallagnol, coordenador da Lava Jato, pedindo a abertura de inquérito disciplinar para investigar ilegalidades praticadas no caso revelado pela Vaza Jato de ação clandestina do procurador, em 2016, para obter informações sobre ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) e seus familiares.