Ministro Celso de Melo solicita à PGR apreensão dos celulares do presidente e do “02” e determina que ambos devem prestar depoimentos.

O ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), enviou nesta sexta-feira (22) à Procuradoria-Geral da República (PGR) pedidos de parlamentares e partidos para periciar o celular do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e de seu filho Carlos Bolsonaro.

Também se pede que o presidente preste depoimento no âmbito do processo, que investiga se ele interferiu em investigações da Polícia Federal (PF) em causa própria.

Caso Bolsonaro seja de fato denunciado, o STF pede autorização à Câmara dos Deputados para investigá-lo, a aprovação depende do sim de 2/3 dos deputados. Se virar réu, ele é afastado do cargo por 180 dias.

Divulgação

Segundo matérias de Fernando Molica, da CNN, e Miriam Leitão, do Globo,   devem ser omitidos somente trechos com ataques de ministros à China e ao Paraguai.

Molica afirmou que está sendo feito nesse momento o “upload” do vídeo no site do STF, e por isso a demora para a divulgação da decisão do decano da Corte, que deve ocorrer por volta das 17h desta sexta-feira (22).

Ameaças

Segundo o site Brasil247 o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Dias Toffoli, afirmou nesta sexta-feira, 22, durante participação em live do grupo Lide, que o inquérito que investiga ataques à Corte permitiu a descoberta de “ameaças reais”.

Isso é uma ação criminosa, tanto que ontem foram presas duas pessoas em Brasília, que apresentaram ameaças e com perspectivas inclusive de ações. Por isso foi aberto inquérito e houve a prisão delas”, disse Toffoli.