O Fundo Russo de Investimentos Diretos (RFPI, na sigla em russo) e o Centro Nacional de Pesquisa de Epidemiologia e Microbiologia Gamaleya da Rússia publicaram uma seção de informações sobre vacinas que usam adenovírus.

O uso de adenovírus é o que foi feito no desenvolvimento da primeira vacina registrada do mundo contra o novo coronavírus, a russa Gam-COVID-Vac (Sputnik V, como marca registrada).

Kirill Dmitriev, presidente do Fundo Russo de Investimentos Diretos (RFPI, na sigla em russo), informou que o objetivo da iniciativa é trazer transparência a respeito da vacina desenvolvida na Rússia.

“Recebemos muitas perguntas sobre a vacina, incluindo a plataforma em que foi desenvolvida. O RFPI e o Centro Nacional de Pesquisa de Epidemiologia e Microbiologia Gamaleya se esforçam para trazer o máximo de transparência sobre os detalhes do desenvolvimento da vacina, e é por isso que postamos todas as informações sobre vacinas de adenovírus. Gostaríamos de agradecer a todos pelo interesse na ‘Sputnik V’, tanto na Rússia quanto no exterior. O site da vacina já foi visitado por representantes de mais de 200 países. Planejamos adicionar novo conteúdo ao site com novos detalhes sobre a vacina no futuro”, afirmou.

Veja abaixo algumas informações escritas pelo RFPI sobre como o adenovírus é utilizado para produção de vacinas e medicamentos:

  • A pesquisa sobre adenovírus humanos como uma base potencial para o desenvolvimento de vacinas começou em 1953.
  • As vacinas não contêm adenovírus humanos vivos, mas vetores de adenovírus humanos, ou seja, vírus humanos que não podem se multiplicar no corpo e são totalmente seguros.
  • Mais de 20.000 pessoas participaram de testes clínicos de vacinas e medicamentos baseados em adenovírus humanos.
  • As vacinas de adenovírus humano têm sido amplamente utilizadas pelo Exército dos EUA desde 1971 até hoje. Esse tipo de vacina é oferecido pelas Forças Armadas dos EUA aos recrutas. A Food and Drug Administration (FDA) [equivalente à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) no Brasil] aprovou vacinas de adenovírus humano em 2011. Mais de 10 milhões de militares dos EUA receberam as vacinas de adenovírus humano.
  • Um medicamento contra o câncer baseado em vetores de adenovírus humanos tem sido usado para tratar mais de 30.000 pacientes na China.

As vacinas de adenovírus humano comprovadamente não apresentam riscos à saúde em longo prazo, incluindo nenhum risco de desenvolvimento de células cancerígenas e nenhum risco de afetar a fertilidade. A segurança à saúde foi comprovada por mais de 75 publicações internacionais e em mais de 250 ensaios clínicos.