“A revisão histórica, cujas manifestações são observadas no Ocidente, e principalmente em relação ao tema da Segunda Guerra Mundial e seus resultados, é perigosa pois distorce a compreensão dos princípios do desenvolvimento pacífico, estabelecidos nas conferências de Yalta e São Francisco em 1945”, escreveu Putin.

Segundo Putin, a União Soviética e o Exército Vermelho foram cruciais para a derrota das forças nazistas.

“A União Soviética e o Exército Vermelho deram uma contribuição crucial à derrota do nazismo, não importa o que estejam tentando provar hoje. Estes foram os heróis que lutaram até o fim, cercados pelo inimigo, nos arredores de Bialystok e Mogilev, Uman e Kiev, Vyazma e Kharkov”, disse o presidente russo.

Para Ricardo Cabral, professor de Relações Internacionais e pesquisador de temas histórico-militares da Escola de Guerra Naval, no Rio de Janeiro, o artigo de Putin possui uma visão muito interessante sobre os acontecimentos da Segunda Guerra.

“Está na hora de os esforços soviéticos serem reconhecidos pelo Ocidente. E está na hora também, como muito bem disse Putin, de a ONU fazer o que sua antecessora, a Liga das Nações, não fez, reconhecer a importância da União Soviética para derrotar o nazismo e acabar com a Segunda Guerra Mundial”, disse à Sputnik Brasil.

Diego Pautasso, professor do Colégio Militar de Porto Alegre, especialista em Relações Internacionais, afirma que é “inegável” o papel “civilizatório” soviético na derrota do nazismo.

“Inegavelmente, a União Soviética teve um papel determinante, central, para o desfecho da Segunda Guerra Mundial. Sem sombra de dúvida, Stalingrado foi o epicentro, o local de virada, que levou à derrota dos nazistas na Segunda Guerra Mundial. Mais de 80% das tropas nazistas se defrontaram contra o Exército Vermelho. O papel, portanto, civilizatório, representado pela vitória soviética na Segunda Guerra Mundial, que destruiu a força mais obscurantista do mundo, que foi o nazifascismo, tem um simbolismo que deve ser rememorado com o devido alcance. As narrativas que tentam reduzir o desfecho da Segunda Guerra Mundial ao Dia D e aos Estados Unidos no fundo, no fundo, ocultam o papel do povo soviético nesta grande vitória”, afirmou à Sputnik Brasil.

Já João Cláudio Pitillo, professor de História e pesquisador do Núcleo das Américas na Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), afirmou que a União Soviética teve o papel mais importante para derrota das forças nazistas.

“A União Soviética carregou o maior fardo da guerra e teve o papel mais importante na derrota das tropas do Eixo, seja no Teatro de Operações da Europa, seja no Extremo Oriente. É importante também que se registre que o Japão não foi rendido pelas bombas atômicas dos Estados Unidos, mas sim pela derrota do seu Exército Imperial de mais de um milhão de homens pelas forças soviéticas”, disse à Sputnik Brasil.

Pitillo explica que por muitos anos o Brasil ficou privado da análise sobre o importante papel da União Soviética na Segunda Guerra Mundial devido a ditadura militar que ficou no poder por 21 anos.

“O Brasil, devido à subordinação à Guerra Fria e ao período ditatorial, ficou privado dessa análise. E assim, nós brasileiros ficamos privados do reconhecimento do papel da União Soviética ao impor sua vitória sobre a Alemanha nazista e, desta forma, encerrar a Segunda Guerra Mundial ou Grande Guerra pela Pátria como a chamam os russos. Mas, paulatinamente, isso foi sendo contestado por pesquisadores e historiadores”, explicou.

Segundo o professor da UERJ, de uns anos para cá, o Brasil pôde corrigir a falha de não reconhecer o papel desempenhado pelas tropas soviéticas na Segunda Guerra Mundial.

“O Brasil convergiu, em um determinado momento, a compreender que esconder o papel da União Soviética não fazia o menor sentido, não tinha o menor amparo científico, não era dialético. Livre das pressões da Guerra Fria, o Brasil pôde corrigir esta falha histórica e mostrar ao mundo que, independente do cabedal ideológico de cada sociedade, de cada governo, de cada país, a Verdade Histórica reside no compromisso com a Ciência e isso nos faz ter a certeza do papel preponderante da União das Repúblicas Socialistas Soviéticas na Segunda Guerra Mundial”, comentou Pitillo.

Para Diego Pautasso reconhecer o papel soviético na derrota do nazismo é um movimento importante para que acontecimentos similares aos que ocorreram na Segunda Guerra não ocorram novamente no futuro.

“Então, mais do que nunca, no contexto de escalada de forças conservadoras e eu diria, até fascistas no contexto do século 21, é hora de rememorarmos esses eventos históricos para que, enfim, não se repitam, de maneira trágica. No Ocidente, há uma invisibilização muito grande desses eventos históricos, quando não de distorções históricas, e, por isso, é fundamental voltar a esta temática quando se completam 75 anos da vitória soviética sobre o nazifascismo”, completou.

Leia também: