O Sindicato dos Petroleiros do Paraná e Santa Catarina (Sindipetro-PR/SC) e o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) se uniram, nesse sábado (13), em uma ação de solidariedade em Curitiba, na qual foram doados 520 cargas de gás de cozinha e 15 toneladas de alimentos. Cerca de 700 famílias, em quatro comunidades, foram beneficiadas.

Brasil de Fato – As doações ocorreram na Vila Portelinha, no Santa Quitéria; na comunidade 23 de agosto, no Osternak; Sabará, na Cidade Industrial; e na Vila Santos Andrade, no Campo Comprido. De acordo com o MST, cada família pode levar para casa uma cesta com quase 22 quilos de alimentos, incluindo arroz, feijão, mandioca, legumes, frutas e hortaliças.

Cada família pode levar para casa uma cesta com quase 22 quilos de alimentos, incluindo arroz, feijão, mandioca, legumes, frutas e hortaliças. Foto: Giorgia Prates/BdF PR.

“Os alimentos vieram direto das roças e hortas das 370 famílias da comunidade rural Maila Sabrina, localizada em Ortigueira, região norte do Paraná. O acampamento tem 17 anos e luta pela efetivação da reforma agrária na área. Além de produção farta e diversificada, a comunidade tem escola, igrejas, unidade de saúde, espaço comunitário para beneficiamento de alimento, lazer e esporte”, informou o movimento.

A iniciativa chama atenção para o alto custo do gás de cozinha, essencial para garantir a segurança alimentar dos brasileiros. Em 4 de junho, a Petrobras anunciou que o preço do Gás Liquefeito de Petróleo (GLP) teria um reajuste médio de 5,3%.

“Por que nós, que produzimos e refinamos o petróleo aqui no país, somos obrigados a pagar tão caro nos combustíveis e gás de cozinha?”, questionou Alexandro Guilherme, presidente do Sindicato dos Petroleiros. As cargas de gás doadas tiveram participação dos petroleiros trabalhadores da Refinaria Getúlio Vargas (Repar), de Araucária, de onde sai o produto.

Os alimentos vieram das roças e hortas das 370 famílias da comunidade rural Maila Sabrina, localizada em Ortigueira, região norte do Paraná. Foto: Giorgia Prates/BdF PR.

“[A ação] fortalece a solidariedade do nosso povo para seguir nas lutas pela frente, para evitar as mortes e cuidar para que ninguém adoeça e morra”, apontou, em nota, Roberto Baggio, da direção nacional do MST. O movimento destaca que, com doação desse sábado, acampamentos e assentamentos sem terra chegaram a 183 toneladas de alimentos doados.

Também participaram da iniciativa, associações de moradores das comunidades, além da Escola de Samba Embaixadores da Alegria, do Coletivo Alicerce, de integrantes da Batalha do Parigot, da Rede de Solidariedade e do Movimento de Organização de Base.

Brasil de Fato/Camila Maciel