Daniel Vilela diz que prefeito deixou de seguir plano de governo, Rogério Cruz rebate e garante que vai cumprir programa que foi apresentado à população nas eleições

Seguindo orientação do presidente estadual do MDB, Daniel Vilela, 14 secretários indicados pelo partido entregaram o cargo ontem. O rompimento, segundo Daniel Vilela, se dá pelo afastamento do prefeito dos compromissos de campanha.  O emedebista alega que o prefeito deixou se seguir as orientações do grupo político que o elegeu e passou a ser tutelado por membros da direção nacional do Republicanos, partido que é ligado à Igreja Universal, da qual Rogério Cruz foi bispo.

“Quem está comandando hoje a prefeitura de Goiânia é a direção nacional do Republicanos, a partir de nomes de fora de Goiás indicados por eles para funções estratégicas na administração”, pontua Daniel.

O prefeito rebateu as declarações. Disse que está cumprimento aquilo que foi acordado. Ressaltou que implementou os programas sociais preconizados pelo prefeito Maguito Vilela, como o IPTU Social e o Renda Família disse que quem está deixando a administração não é o MDB, e sim Daniel Vilela, a quem acusou que querer interferir na administração.

“Respeito demais o Daniel, mas ele precisa entender que ele não foi eleito, foi o pai dele”, reagiu Rogério.

Rogério Cruz está costurando apoios à sua administração na Câmara de Goiânia, onde a maioria (senão todos) vereadores do MDB estão ao seu lado, inclusive indicando nomes para o secretariado, como o vereador Clécio Alves. A tendência é que o prefeito forme o novo governo com vereadores e suplentes, reforçando seu laço com o Legislativo para garantir governabilidade. Um exemplo desta estratégia é o vereador Wellington Bessa (DC) que substituiu o secretário de Educação, Marcelo Ferreira.

Outra consequência do rompimento é o estreitamento das relações de Rogério Cruz com o governador Ronaldo Caiado. Nos bastidores já se avalia que o Republicanos deve apoiar a reeleição do governador Ronaldo Caiado indicando o deputado federal João Campos à vaga de senador na chapa governista. Campos foi o avalista da indicação de Rogério Cruz pelo Republicanos para formar a chapa  com o MDB na chapa de Maguito Vilela.

 

Os 14 secretários que deixaram a prefeitura

Agenor Mariano, secretário de Planejamento Urbano e Habitação;

Alessandro Melo, secretário de Finanças;

Pedro Chaves, secretário de Mobilidade;

Euler de Morais, secretário de Relações Institucionais;

Murilo Ulhôa, presidente da Companhia Metropolitana de Transportes Coletivos;

José Frederico, secretário de Prioridades Estratégicas;

Carlos Júnior, secretário de Desenvolvimento e Economia Criativa;

Leandro Vilela, secretário extraordinário;

Gean Carvalho, secretário-executivo de Assuntos Estratégicos;

Célio Campos, secretário de Inovação, Ciência e Tecnologia;

Filemon Pereira, secretário de Direitos Humanos e Políticas Afirmativas;

Colemar Moura, controlador-geral do Município;

Antônio Flávio, procurador-geral do Município;

Kléber Adorno, secretário de Cultura