Em entrevista ao site BuzzFeed o presidente da Câmara Federal comprovou o diagnóstico do ex-presidente Lula, que disse á Folha e ao El País, que o Brasil é governado por “um bando de maluco”.   Em tom de alerta, Rodrigo Maia diz que Carluxo (Carlos Bolsonaro) dá demonstrações de que está surtado, e que o deputado Eduardo Bolsonaro, acha que manda na politica externa do país. Para o deputado, o pai deles (Jair Bolsonaro) deve enquadrar os filhos ou corre o risco de perder a condição de governar.

Algo se move em Brasília: a tentativa da centro-direita de enquadrar Jair Bolsonaro.

Em entrevista ao repórter Severino Motta, do BuzzFeed, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, sempre cauteloso em suas falas, sugeriu que o presidente da República está por trás das ações dos filhos Carlos e Eduardo Bolsonaro.

Embora tenha visto mudanças no comportamento do governo, Maia acredita que Bolsonaro ainda está longe de atingir os votos necessários para aprovar a reforma da Previdência.

Maia sobre as relações pessoais dos integrantes da família Bolsonaro:

Eu não sei como é a relação na família dele [Bolsonaro]. As famílias têm relações distintas, não é? O Bolsonaro colocou o filho com 17 anos para disputar contra a própria mãe desse filho. Ele derrotou a mãe para vereador. Isso deve ser normal na cabeça de um ser humano? Derrotar uma mãe com 17 anos? Isso deve ter gerado muito problema na cabeça do Carlos. A informação que eu tenho, apenas de ouvir falar, é que eles ficaram sete anos sem se falar, ele e o pai. E você vê que ele tem uma admiração enorme pelos filhos, diz que devia ser ministro, que só chegou à Presidência por causa dele. O que influenciou muito a eleição foi a facada que quase o matou. Se Bolsonaro achar que foi a internet que elegeu ele…

O que achou da nota da revista Época de que o Carlos segurou a senha do Twitter e impediu o pai de acessar a rede?

Eu acho que pode ser verdade, você não acha? Não me parece verdade, mas eu não acho impossível ser. Eu até acho que não é, acho que o filho não vai a tanto, pois aí seria uma relação… Aí precisaria internar…

Essa atuação do Carlos reflete no Congresso?

Ninguém fica preocupado com Carlos, todo mundo tem convicção de que o Bolsonaro é que comanda isso. E eu não acredito, e ninguém acredita mais, que é o Carlos que comanda esse jogo.

Ou seja, o que o sr. afirma é que o Carlos escreve mas a estratégia é do presidente?

Alguém coloca aquilo do golden shower sem o pai ver? O filho pode ser doido à vontade, mas num negócio daquela loucura só com autorização do dono da conta.

A briga dele com o Mourão atinge o Congresso ou a política no país?

Não acho que atrapalha muito, não. Mas temos que tomar cuidado para não entrar nessa briga. Quem vai investir no país e vê o filho do presidente batendo no vice questiona isso. Acho que pode gerar insegurança em alguns atores que estão mais distantes. Para quem está aqui perto, todo mundo sabe que é uma briga idiota.

O sr. imaginou o país vivendo esse momento, com um vereador gerando crises nacionais?

O filho do presidente é um radical.

E o filho que está na Câmara, o Eduardo? Alguns parlamentares dizem que ele está agindo no Congresso como um imperador, com arrogância.

Ele não era nada, era um deputado do baixíssimo clero, o pai vira presidente, ele passa a ser chamado pela equipe do Trump, pela equipe de não sei o quê… Um pouquinho de vaidade é um direito, não é? Não vamos exagerar também, achar que ele não pode ter um momento de deslumbramento. Quem é que nunca teve? Quando eu ganhei minha primeira eleição para presidente da Câmara eu também tive. Todo mundo tem, mas com o tempo você vai vendo que isso ai tudo é passageiro.

E ele é realmente o chanceler de fato do Brasil?

Não foram eles que fizeram o ministro [Ernesto Araújo]? Eles que comandam o ministro, a agenda deles é a mesma, essa loucura aí…

 

Leia AQUI a íntegra da entrevista.