Manchete da TV americana reforça matérias feitas pelos jornais New York Times e Washigton Post que condenaram o negacionismo do presidente Jair Bolsonaro como responsável pelo agravamento da pandemia da covid-19 no Brasil

Leia a matéria:

Sem vacinas, sem liderança, sem fim à vista. Como o Brasil se tornou uma ameaça global

Por Matt Rivers, CNN

A temperatura era de 35 graus centígrados na terça-feira, mas a umidade fez com que parecesse pior. Em meio ao calor sufocante do final do verão no Rio de Janeiro, Silvia Silva Santos acalmou sua mãe de 77 anos enquanto caminhavam em direção ao portão da clínica.

“Já viemos aqui duas vezes, mas ela não conseguiu vacinar-se”, disse Silva Santos. “Ela apenas fica na fila e então não há mais vacinas e temos que ir embora.”

No portão, Silva Santos perguntou à guarda se ela poderia vacinar a mãe.

Consciente da presença das câmeras da CNN assistindo, ele rapidamente a conduziu para dentro.

Cerca de cinco minutos depois, a dupla voltou com más notícias escritas em seus rostos.

“Acho isso muito errado”, disse Silva Santos, claramente irritado e frustrado.

“Agora teremos que descobrir novamente quando eles terão as vacinas e nunca se sabe quando.”

Essa frustração se espalhou pela multidão de idosos quando pessoa após pessoa teve negada a primeira dose de uma vacina, depois que o estado do Rio de Janeiro suspendeu sua campanha de vacinação porque havia acabado o estoque.

“Isso é um desastre, um desastre total”, disse uma mulher à CNN após ter sua vacina negada. “Quem é o culpado por tudo isso? Acho que nossos líderes, nossos políticos são uma merda”.

A crescente tempestade perfeita

A crise da Covid-19 no Brasil nunca foi pior. Quase todos os estados brasileiros têm uma ocupação de UTI de 80% ou mais, de acordo com uma análise da CNN de dados estaduais.

Na sexta-feira, 16 dos 26 estados estavam em 90% ou mais, o que significa que esses sistemas de saúde entraram em colapso ou estão em risco iminente de fazê-lo.

As médias de sete dias de novos casos e novas mortes são mais altas do que nunca.

Nos últimos 10 dias, cerca de um quarto de todas as mortes por coronavírus no mundo foram registradas no Brasil, de acordo com análises da CNN.

“São sinais claros de que estamos em uma fase de aceleração muito crítica da epidemia e sem precedentes”, disse Jesem Orellana, epidemiologista brasileiro.

Se as vacinas são a melhor saída para essa pandemia global, o Brasil ainda tem um longo caminho a percorrer para superar isso.

Até sexta-feira, menos de 10 milhões de pessoas no país de cerca de 220 milhões haviam recebido pelo menos uma dose, de acordo com dados federais de saúde.

Apenas 1,57% da população foi totalmente vacinada.

Isso é o resultado de um programa de implementação lento que tem sido afetado por atrasos.

Durante o anúncio de seu plano de distribuição no início de fevereiro, o governo prometeu que cerca de 46 milhões de doses de vacina estariam disponíveis em março.

Ele foi repetidamente forçado a diminuir esse número, agora estimando apenas 26 milhões no final do mês.

A produção nacional do que os governos dizem atingirá centenas de milhões de doses da vacina Oxford-AstraZeneca acaba de decolar.

As primeiras 500.000 doses foram entregues e comemoradas por altos funcionários do Ministério da Saúde no Rio de Janeiro esta semana, apesar de estar com meses de atraso.

“Não há] vacinas em uma quantidade que realmente causaria um impacto agora “, disse Natalia Pasternak, uma microbiologista brasileira, que disse que vai demorar até o segundo semestre antes que vacinas suficientes estejam disponíveis para ter um impacto substantivo na epidemia.

Com vacinas escassas no futuro próximo, as únicas formas restantes de controlar o crescimento exponencial da epidemia no Brasil são os métodos que o mundo tem ouvido ad nauseam — distanciamento social, sem aglomerações, movimentos restritos e boa higiene.

Mas em muitos lugares do Brasil, isso simplesmente não está acontecendo.

No movimentado Rio de Janeiro, é fácil encontrar multidões sem máscara andando pelas ruas, conversando de perto.

Embora as famosas praias da cidade estejam fechadas neste fim de semana, os restaurantes e bares ainda podem estar abertos até as 21h, muitos provavelmente lotados.

Muitos estados impuseram restrições muito mais duras, incluindo toques de recolher noturnos, mas os líderes locais estão lutando contra a liderança federal, ou a falta dela, determinada a manter as coisas abertas.

O presidente Jair Bolsonaro, um cético da Covid-19 que zombou da eficácia das vacinas e não as tomou publicamente, anunciou na quinta-feira que entraria com uma ação judicial contra certos estados na Suprema Corte do país, reivindicando que a única pessoa que pode decretar toque de recolher é ele — algo que prometeu nunca fazer.

Apesar de milhares de pessoas morrendo por causa do vírus a cada dia, ele afirma que a verdadeira ameaça vem dos danos econômicos que as restrições provocadas pelo vírus podem impor.

Milhões de seus apoiadores estão seguindo seu exemplo, violando abertamente os regulamentos locais de distanciamento social e uso de máscaras.

Tudo isso por si só já seria preocupante, mas é exacerbado por uma realidade profundamente preocupante — a disseminação das variantes do Covid-19.

A variante P.1 foi descoberta pela primeira vez no Japão.

As autoridades de saúde detectaram a mutação viral em vários viajantes que retornavam do estado do Amazonas, uma região isolada no norte do Brasil repleta de floresta tropical.

A CNN noticiou da região no final de janeiro, onde uma segunda onda brutal de Covid-19 dizimava a cidade de Manaus.

Quase dois meses depois, mais e mais pesquisas apontam para a variante P.1 como um fator crucial não apenas no surto de Manaus, mas na crise nacional que o Brasil enfrenta hoje.

Um estudo da principal fundação de pesquisa médica do Brasil, Fiocruz, do início de março descobriu que, dos oito estados brasileiros estudados, as variantes do Covid-19, incluindo P.1, eram prevalentes em pelo menos 50% dos novos casos.

A variante é amplamente aceita como sendo mais facilmente transmissível, até 2,2 vezes mais, de acordo com um estudo recente.

Isso é mais transmissível do que a variante B.1.1.7, identificada pela primeira vez no Reino Unido, que é até 1,7 vezes mais transmissível do que o coronavírus inicial, de acordo com um estudo de dezembro.

Esse mesmo estudo também descobriu que as pessoas têm 25% a 65% mais probabilidade de serem reinfectados com a P.1.

Finalmente, ainda existem preocupações de que as diferentes vacinas possam não ser tão eficazes contra a variante P.1.

Embora um estudo recente do Reino Unido tenha descoberto que “as vacinas existentes podem proteger contra a variante do coronavírus brasileiro”, a CNN conversou com vários epidemiologistas que continuam preocupados.

“O mundo não despertou a terrível realidade potencial que a variante P.1 pode representar”, disse o Dr. Eric Feigl-Ding, epidemiologista. “As pessoas não percebem o quanto o P1 é pior.”

O Brasil está se tornando um perigo global

Em meio à disseminação não mitigada do vírus no Brasil, encontram-se duas ameaças adicionais distintas.

Um, a exportação mais fácil da variante P.1 existente para o exterior. Já está em pelo menos duas dezenas de países e contando — e as viagens internacionais de e para o Brasil ainda estão abertas para a maioria dos países.

Dois, se a variante P.1 foi criada aqui, outras também podem ser.

“O fato de a pandemia estar fora de controle no Brasil causou a variante”, disse Pasternak, o microbiologista brasileiro. “E vai causar mais variantes. Vai causar mais mutações porque é o que acontece quando você deixa o vírus se replicar livremente.”

Diferentes variantes de Covid-19 causaram infecção simultânea em dois casos, sugere estudo no Brasil

De acordo com as leis da evolução viral, novas variantes são criadas para tentar permitir que o vírus se espalhe mais facilmente.

Ao longo do caminho, iterações mais perigosas podem ser criadas.

“Mais variantes significam que há uma probabilidade maior de que uma dessas variantes possa realmente escapar de todas as vacinas, por exemplo”, disse Pasternak. “É raro, mas pode acontecer.”

Isso, diz ela, torna o Brasil um perigo global, não apenas para os países vizinhos, mas para outros ao redor do mundo.

“Tudo isso junto deve aumentar o alarme em todos os países do mundo de que devemos ajudar o Brasil a conter P.1, para que não soframos o mesmo destino do colapso do sistema hospitalar brasileiro”, disse o Dr. Feigl-Ding.

Com a falta de vacinas e um governo relutante em tomar as medidas necessárias para evitar que isso aconteça, não está claro como as coisas vão melhorar no Brasil tão cedo.

*O jornalista Eduardo Duwe contribuiu para esta reportagem.

Edição: site Vioumndo.

 

Leia também no Viomundo:

1076 médicos cearenses, em contra-manifesto: “Nunca tivemos tantos colegas adoecendo e falecendo”