Segundo o instituto que leva seu nome, estado de saúde do líder indígena é bom, mas idade inspira cuidados.

RBA – São Paulo – Ropni Metyktire, mais conhecido como Cacique Raoni, foi internado em um hospital de Sinop (MT) e recebeu diagnóstico de covid-19. “Seu estado é bom, sem febre, respirando normalmente e sem ajuda de oxigênio”, informa o Instituto Raoni.
A internação, ocorrida na sexta-feira (28), ocorre pouco mais de um mês após o cacique receber alta hospitalar. Ele tratava uma úlcera gástrica.

O líder Kayapó tem aproximadamente 90 anos. O site do instituto informa que ele “nasceu provavelmente no início da década de 1930, em uma antiga aldeia Mebêngôkre (Kayapó) denominada Kraimopry-yaka”, no nordeste de Mato Grosso.

Cacique Raoni foi internado devido a “alterações na taxa de leucócitos no sangue e sintomas de pneumonia” e exames no Hospital Dois Pinheiros confirmaram covid-19, com presença de anticorpos. “Sua idade inspira cuidados e o Cacique Raoni seguirá com assistência médica até ficar completamente recuperado”, informa ainda o instituto.

Risco à vida

A entidade denuncia que a covid-19 “vem se alastrando na TI (terra indígena) Capoto/Jarina, colocando em risco a vida de centenas de indígenas”. Em junho, morreu Bekwyjkà Metuktire, mulher do cacique Raoni, nascida em 1930.

“Este vírus chegou em nossas aldeias. A história se repete. No período da ditadura (1964-1985) doenças foram utilizadas como forma de extermínio dos povos indígenas, conforme aponta relatório da Comissão Nacional da Verdade”, disse o advogado Luiz Henrique Eloy Amado, durante julgamento do STF sobre a proteção aos povos indígenas ameaçados pela pandemia.

O representante da Associação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib) falou sobre os riscos que assolam as comunidades. “Desde a precariedade do sistema de saúde, à negativa de atendimento de indígenas e ao desrespeito à biodiversidade dos territórios”, argumentou o advogado de origem indígena.