Randolfe Rodrigues (Rede-AP) também afirmou que informações requeridas pela CPI inclui lista da PF sobre passeios de Bolsonaro nos arredores de Brasília durante a pandemia.

Por Tiago Pereira, da RBA

O presidente da CPI da Covid, senador Omar Azis (PSD-AM), disse que será “imprescindível” a convocação para depor do ex-secretário especial de Comunicação Social da Presidência da República, Fabio Wajngarten.

Raldolfe (Rede-AP) também lamentou tentativas de interferência do Palácio do Planalto nos trabalhos da CPI – Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado

“Queremos saber por que a gente não comprou as 70 milhões de vacinas”, disse Aziz, em entrevista coletiva ao final da sessão nesta quinta-feira (29). Além de Wajngarten, os senadores também devem convocar representantes da farmacêutica Pfizer.

A Pfizer afirmou que, desde agosto do ano passado, fez três propostas ao governo brasileiro para a venda de 70 milhões de doses do imunizante. Estas seriam entregues a partir de dezembro, mas as negociações não evoluíram. Em entrevista recente à revista Veja, Wajngarten atribuiu a falta de vacinas à incompetência da equipe do então ministro da Saúde, general Eduardo Pazuello, para negociar com o laboratório norte-americano.

Aziz também afirmou que as convocações dos ministros da Saúde do governo Bolsonaro, que serão ouvidos na próxima semana, bem como os requerimentos de informação aprovados pela CPI, buscam identificar as providências que foram tomadas pelo governo federal desde o início da pandemia. Além de medidas essenciais que deveriam ter sido adotadas, mas não foram.

“Do ponto de vista dos aeroportos, sei que não houve nenhuma barreira sanitária. Hoje o Brasil sofre barreiras sanitárias em vários países do mundo. Mas nós não fizemos o nosso dever de casa. Esse é um dos nortes da nossa investigação”, acrescentou o senador.

Passeios do presidente

O senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), vice-presidente da CPI da Covid, confirmou que, dentre os requerimentos aprovados, há um pedido de compartilhamento de informações da Polícia Federal (PF) sobre uma lista dos passeios realizados pelo presidente, Jair Bolsonaro, em Brasília e nas regiões do entorno, durante a pandemia.

Por diversas vezes, o presidente saiu do Palácio do Planalto para, por exemplo, ir à padaria ou comer um cachorro-quente em meio a apoiadores. Também visitou bairros cidades-satélites do Distrito Federal, sempre recusando-se a usar máscaras e causando aglomerações.
Randolfe também classificou como “lamentável” as tentativas do governo Bolsonaro de tentar interferir no andamento dos trabalhos da comissão.

Ele afirmou que requerimentos apresentados senadores governistas Ciro Nogueira (Progressistas-PI) e Jorginho Melo (PL-SC), que foram elaborados por uma assessora especial da presidência nem sequer foram apreciados.

Por fim, Randolfe disse esperar que “boa parte” das informações requisitadas pelos senadores estejam disponíveis já na próxima terça-feira (4), dia da próxima sessão da CPI da Covid. Nesse dia, serão ouvidos os ex-ministros Luiz Henrique Mandetta e Nelson Teich. Ele lembrou que os órgãos demandados têm a obrigação de fornecer as informações requisitadas em um prazo de até cinco dias úteis.