PT deve se juntar a outros partidos de esquerda para, até sexta-feira, formalizar a adesão da legenda ao impeachment do presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

O pedido de afastamento, segundo a Folha de S.Paulo, será feito de maneira coordenada com o PSOL e cerca de 300 entidades da sociedade civil.

Assim, as duas siglas se juntam a PDT, PSB, REDE e PV que, nesta semana, assinaram nota conjunta a favor do impeachment de Bolsonaro.

Nesta quarta (13/5), o ex-presidente Luiz se manifestou.

“Acho que o Bolsonaro trabalha com a ideia de endurecer cada vez mais, de um governo autoritário. Espero que o presidente da Câmara coloque o impeachment em votação. Porque o Brasil não aguenta três meses do jeito que está sendo governado”, escreveu no Twitter.

A presidente do PT, Gleisi Hoffmann (PT-PR), afirma que está se formando um consenso dentro da legenda de que chegou a hora de o PT colocar na rua um bloco amplo de forças a favor do impeachment.