O lançamento do projeto “Recuperação da Vereda do Sapo”, da Microbacia do Córrego Taquari, afluente do Rio Meia Ponte, distante 11 km da cidade de Bela Vista, foi um sucesso, relata Rosimar Silva, presidente da Associação SOS Rio Piracanjuba, idealizadora do projeto.

A reunião com os produtores foi na ultima quarta-feira, 18, no Acampamento da Igreja Metodista, às margens da Vereda. Estavam presentes os proprietários rurais da região. Segundo Rosimar, “tivemos 100% de adesão dos produtores”.

Estratégia

Rosimar Silva preside associação que quer salvar as nascentes e veredas em Bela Vista

O projeto integral de Recuperação de Microbacia hidrográfica prevê a recuperação de todo a Microbacia do Córrego Taquari, com 4.878,63 ha e 22 nascentes. André Clemente, Engenheiro Agrônomo e um dos técnicos responsáveis pela elaboração do projeto, informa que “vamos iniciar pela Vereda do Sapo, cujo produtores já estão mobilizados e depois vamos para outros mananciais que alimentam o Córrego Taquari, até fazer a Microbacia toda”.

Para Rosimar Silva, “recuperar bacia hidrográfica é uma tarefa nova no Brasil, para se ter uma ideia, temos apenas dois projetos em andamento no Estado de Goiás e o terceiro é o nosso, por isso, vamos começar com uma área relativamente pequena, para depois conquistar a adesão de mais produtores e obter mais recursos e ir avançando”. A microbacia da vereda do sapo possui duas nascentes e 685,28 ha.

Parcerias

Essa primeira etapa da recuperação da Microbacia do Córrego Taquari terá o apoio da Prefeitura de Bela Vista, da UFG – Universidade Federal de Goiás, do MP – Ministério Público e da ANAMMA – Associação Nacional de Gestores Municipais de Meio Ambiente.

Rosimar Silva informa que aguarda uma posição do Governo de Goiás, por meio da Superintendência de Recursos Hídricos, que foi convidado a participar do projeto.

Durante o lançamento do projeto, André Clemente fez uma palestra sobre a importância e como se dará o trabalho de Recuperação da Vereda do Sapo.

Etapas

Ary Soares, Geográfo, ex-superintendente do IBAMA em Goiás, coordenador técnico da Associação SOS Rio Piracanjuba e um dos responsáveis pela projeto da Microbacia do Córrego Taquari, informa que “depois da adesão dos proprietários ao Projeto, vamos montar um diagnóstico de toda a bacia, mapear a situação das nascentes, das estradas, das reservas legais, das Matas Ciliares e depois definir o papel de cada um no projeto e começar os trabalhos”.

Rosimar Silva disse que em três meses “o projeto estará pronto e iniciaremos as primeiras ações”.

Para Amarildo Francisco do Nascimento, proprietário na vereda do Sapo, “esse projeto será a salvação da nossa vereda, que está secando. Se nada for feito, ficaremos sem água. Agora é hora da união de todos para recuperar o que foi destruído e garantir água para todo mundo”, finaliza.