Ao contrário do Brasil que em plena pandemia de coronavírus insiste na Lei de Teto de Gastos – que congelou por 20 anos investimentos em saúde, educação e ciência e tecnologia – a União Européia lançou plano de recuperação econômica com forte investimento do Estado na recuperação de empresas, empregos e renovação das cadeias produtivas com investimentos em energia limpa, e produção, por exemplo, de carros elétricos.

 

Em seu relatório ao parlamento italiano sobre a cúpula da União Europeia (UE), que chegou a um acordo histórico sobre um orçamento para os próximos sete anos e um fundo de recuperação massivo, o primeiro-ministro italiano, Giuseppe Conte, disse na última quarta-feira que os líderes europeus tomaram uma decisão “histórica”.

A Europa aprovou “pela primeira vez, um ambicioso plano de recuperação, que será financiado pela emissão de títulos autenticamente europeus”, disse Conte, chamando isso de “uma mudança radical” de austeridade e conservadorismo fiscal para uma abordagem “totalmente orientada para o crescimento econômico, desenvolvimento sustentável… e transição ecológica”.

“O acordo ao qual que chegamos… (mostra que) a Europa cumpriu sua história, sua missão, seu destino”, disse Conte, que foi amplamente aplaudido pelos legisladores.

Após maratona intensa de negociações, os líderes dos 27 países membros da UE chegaram na manhã de terça-feira a um consenso sobre o fundo de recuperação de 750 bilhões de euros (867 bilhões de dólares americanos) e o orçamento de longo prazo do bloco no valor de mais de 1 trilhão de euros.

“A Itália teve um resultado ainda melhor em comparação com a proposta inicial da Comissão Europeia”, disse Conte, acrescentando que “no atual esquema, a Itália receberá 209 bilhões de euros” e que “70 por cento desses recursos estarão disponíveis entre 2021 e 2022”.

Conte disse que seu governo está trabalhando em um Plano Nacional de Recuperação e Resiliência para ser financiado com o fundo de recuperação.

“Este governo assumirá a responsabilidade de realizar este plano com comprometimento, determinação, clarividência, na consciência de que um futuro melhor para nossos cidadãos e a credibilidade da Itália na Europa dependerão de mostrar que podemos aproveitar esta oportunidade histórica”, afirmou Conte.

Em junho, a Conte listou a modernização, a digitalização, a inovação, os impostos e a reforma da justiça, diminuindo a burocracia, fazendo a transição para uma energia sustentável e construindo uma rede de trens de alta velocidade que liga o sul da Itália ao resto do país entre os elementos-chave da Plano Nacional de Recuperação e Resiliência de seu governo.

Ao sair do Senado, Conte disse à agência de notícias ANSA que “certamente” nomeará uma força-tarefa para realizar as reformas que sustentam o Plano Nacional de Recuperação e Resiliência de seu governo.

Com informações das agências Ansa e Xinhua