Mesmo com as atividades suspensas em razão da pandemia, unidades são usadas para entrega de kits escolares; Vila Brasília terá centro de convivência novo após reforma

Mesmo com as atividades coletivas presenciais suspensas devido a pandemia de Covid-19, o trabalho nas unidades dos Serviços de Convivência e Fortalecimento de Vínculos (SCFV) de Aparecida não para. É o que garante a Secretaria de Assistência Social (Semas), responsável pelo SCFV, onde são atendidas 1.200 crianças e adolescentes.

Na semana passada, por exemplo, a própria secretária de Assistência Social, Mayara Mendanha, acompanhou nos centros de convivência a entrega de kits escolares para as crianças cadastradas nas 10 seções do SCFV espalhadas por Aparecida. A ação foi cercada de todos os protocolos sanitários e de higiene para prevenção à Covid.

A secretária Mayara Mendanha está acompanhando também a evolução da reforma estrutural do Centro de Convivência Vila Brasília e Projeto Conviver. Mayara esteve na unidade há poucos dias para conferir o andamento da obra, que contempla a estruturação de espaços mais amplos, acessíveis e arejados, aumentando a sensação de conforto.

“Além desse conforto, queremos promover bem-estar às crianças e adolescentes, oferecendo aos usuários serviços de qualidade, facilitando o trabalho socioassistencial”, diz Mayara.

Os Serviços de Convivência e Fortalecimento de Vínculos funcionam com o intuito de reforçar os elos familiares na construção das histórias das crianças e dos adolescentes, valorizando o sentido da vida coletiva e garantindo, assim, qualidade de vida e direitos resguardados.

As unidades do SCFV funcionam nos setores Vila Brasília, Jardim Casa Grande, Rosa dos Ventos, Jardim das Hortênsias, Jardim Riviera, Nova Cidade, Independência Mansões, Jardim Olímpico, Jardim Tiradentes e Marista Sul.

Nos Serviços de Convivência e Fortalecimento de Vínculos crianças e adolescentes com idade entre 6 e 17 anos fazem atividades culturais e artísticas e interação social e participam de rodas de conversa, oficinas, leitura, brincadeiras, esporte e lazer. Elas recebem o suporte de assistentes sociais e pedagogos, que ajudam no desenvolvimento de suas potencialidades.

“Ainda não retomamos nossas atividades efetivamente, pois seguimos enfrentando a pandemia. Mas tenho a esperança de que logo poderemos voltar a ter crianças e adolescentes fazendo esportes ou mesmo tendo aulas de reforço escolar em nossas dependências”, complementa a secretária Mayara Mendanha.

O funcionamento dos Serviços de Convivência e Fortalecimento de Vínculos em tempos normais, fora da pandemia, ocorre de segunda a sexta-feira, das 7h às 11h30 e das 13h às 17h30. Devido à crise também humanitária da Covid, a Secretaria de Assistência Social focou nos últimos meses na entrega das cestas básicas para as famílias vulneráveis do município.