Denunciado por diferentes crimes, entre eles fraude em licitação, desvio de verbas públicas e organização criminosa, o prefeito de Bagé, Divaldo Vieira Lara (PTB), que atacou a Caravana de Lula com um relho (chicote), acusando os petistas de corrupção,  foi afastado na manhã de quarta-feira (25) em ação do Ministério Público do Estado, por meio da Procuradoria de Prefeitos, em conjunto com o Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco).

Lara, cujo bordão era  “em Bagé, se trata corrupto com relho” está atolado num mar de lama de corrupção e deve permanecer fora do cargo por pelo menos 180 dias. Além de atacar a caravana petista com um relho, o prefeito fez campanha pela eleição do presidente Jair Bolsonaro (PSL).

Decisão do desembargador relator da 4ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Rio Grande Sul atendeu a pedido do Ministério Público e, além do prefeito, afastou os ex-secretários Municipais de Finanças, José Otávio Ferrer Gonçalves, e do Meio Ambiente, Aroldo Quintana Garcia.

Em conjunto com o pedido cautelar, o Ministério Público ofereceu duas denúncias criminais envolvendo a prática de crimes licitatórios, crimes de responsabilidade, crimes de desvio de verbas públicas e organização criminosa.

Também foram denunciados a ex-diretora-geral da Câmara de Vereadores de Bagé, Carla Almeida Caetano Gonçalves, o empresário Ronaldo Burns Costa e Silva, a empresária Paula Lopes Groeger, o ex-diretor do Departamento de Águas e Esgotos de Bagé, Volmir Oliveira Silveira, o ex-secretário da Fazenda, Aurelino Brites Rocha, o servidor público municipal Giovani Soares de Morales, o funcionário público Glademir Silva Leal, o atual secretário Municipal do Meio Ambiente, Nael Abd Ali, o empresário Rogério dos Anjos Meirelles e o empresário Cassius Fagundes Reginatto.

“Em Bagé, se trata corrupto com relho”

Divaldo Vieira Lara, irmão do presidente da Assembleia Legislativa, Luís Augusto Lara (PTB), é o mesmo que em 2018, durante a caravana do ex-presidente Lula pelo Estado, afirmou que “Lula e a sua quadrilha tiveram em Bagé aquilo que mereciam ter em todas as cidades deste país. Em Bagé se trata corrupto com relho, se trata corrupto desta forma”.

Bagé foi a primeira parada na caravana do petista, e local também do primeiro protesto de ruralistas que marcaria a viagem do ex-presidente pelo sul do Brasil, culminando com tiros contra o ônibus da caravana no Paraná. ( Com informações do Sul21)

Caravana de Lula pelo Sul do Brasil teve episódios de extrema violência (Crédito: Guilherme Santos/Sul21)