Desde a campanha presidencial o assassinato da vereadora Mariele Franco rondava o clã Bolsonaro, mas na noite desta terça-feira reportagem do Jornal Nacional caiu como uma bomba na cabeça do presidente, que literalmente explodiu, reagindo com um vídeo de ódio e ameaças.

No site Tijolaço, o jornalista  carioca Fernando Brito resumiu a reportagem: “jogo pesado: miliciano teria dito que ia ver Bolsonaro para encontrar assassino de Marielle”.

 

A Polícia Civil do Rio de Janeiro teve acesso ao caderno de visitas do condomínio Vivendas da Barra, na Zona Oeste do Rio, onde têm casa o presidente Jair Bolsonaro e o ex-policial militar Ronnie Lessa, acusado da morte da vereadora Marielle Franco. No dia 14 março de 2018, horas antes do crime, o ex-PM Élcio Queiroz, outro suspeito do crime, anunciou na portaria do condomínio que iria visitar Jair Bolsonaro e acabou indo até a casa de Lessa, segundo informações divulgadas pelo Jornal Nacional nesta terça-feira.

O caderno de registros do condomínio informa que, às 17h10 do dia do crime, uma pessoa de nome Élcio a bordo de um Logan prata anunciou que iria até a casa número 58, que pertence ao presidente Jair Bolsonaro. No condomínio, também mora o filho Carlos Bolsonaro na casa 36.

À polícia, o porteiro afirmou que ligou para a casa 58. E que uma pessoa que ele identificou como sendo o “seu Jair” liberou a entrada de Élcio Queiroz. O suspeito, no entanto, foi até a casa 66, onde mora Ronnie Lessa. O porteiro, então, telefonou novamente, e o mesmo “seu Jair” teria dito que sabia para onde ele estava indo. Conforme a reportagem, no dia da visita, no entanto, Bolsonaro estava em Brasília e não em sua casa no Rio de Janeiro. O então deputado federal registrou a presença em duas votações na Câmara.

Lessa é acusado pela polícia de ser o autor dos disparos que mataram Marielle o seu motorista, Anderson Gomes; e Queiroz é suspeito de ser o motorista do carro que levava o matador. Os dois foram presos no dia 12 de março deste ano.

A história é cheia de contradições, há documentos que, em tese, confirmam e negam a possibilidade de contato entre o motorista do assassino e é ainda mais estranho que tenha coincidido com a “resurreição”, em áudio, do ex-PM Fabrício Queiroz.

As consequências jurídicas são duvidosas, por que a Constituição diz que “0 Presidente da República, na vigência de seu mandato, não pode ser responsabilizado por atos estranhos ao exercício de suas funções”.

Para Brito, “chegamos ao impensável: a quadrilha miliciana que envolve o clã Bolsonaro, literalmente, na própria casa presidencial”.

Veja aqui a reportagem do Jornal Nacional.

Reação

Reportagem do Brasil247 registrou a reação do presidente às acusações:

Acusando um descontrole emocional ainda não conhecido dos brasileiros, Jair Bolsonaro abriu fogo contra a Rede Globo. A sequência de insultos à emissora é sem precedentes. Ele disse:

“Estou no meu limite com vocês!”

“Por que esta patifaria por parte de vocês? Deixem eu governar o Brasil. Vocês perderam. Se o processo da renovação da concessão de vocês não estiver limpo, não terá concessão nenhuma. Vocês o tempo todo infernizam a minha vida, porra!!!”

A sequência de frases, um tanto desconexas pelo estado emocional do presidente, é:

– Um jornalismo podre da TV Globo. Vocês não prestam!

– Patifes, canalhas da TV Globo”

– Eu não tinha motivo nenhum pra matar quem quer que seja no Rio de Janeiro.

– Vocês não têm juízo, TV Globo!

– Vocês querem acabar com o Brasil!