Pesquisa aponta Adriana Accorsi à frente de Maguito Vilela numa demonstração que o eleitor ainda reconhece a polarização entre as duas legendas que mais governaram Goiânia.

Marcus Vinicius de Faria Felipe

Quem tem votos em Goiânia? Pela pesquisa divulgada ontem pelo Jornal O Hoje, fica clara a resposta: MDB, PT e o PSDB e aliados.

Em duas simulações feitas pelo instituto Fox Mappin, ligado ao próprio jornal, MDB e PT estão empatados.

 

No primeiro cenário, o prefeito Iris Rezende (MDB) tem ligeira vantagem (26%) contra 23% da Delegada Adriana Accorsi (PT). Considerando a margem de erro de 3,5 pontos percentuais, ambos estão tecnicamente empatados.

No segundo cenário, Adriana tem ligeira vantagem figurando com 23% e o ex-governador Maguito Vilela (MDB) com 20%.

E o PSDB, onde entra nesta história? O candidato tucano, deputado estadual Thalles Barreto tem apenas 3%, enquanto Francisco Jr. Aparece com 10%. Cito o  PSDB para designar o campo representado pelo partido, considerando o período marconista, e aí se juntam os votos de Virmondes Cruvinel (3%), Dra. Cristina (1%), somando todos 17%.

Por que insisto nesta trinca MDB-PT-PSDB?  Porque são os partidos que governaram Goiânia desde a redemocratização em 1985. O MDB fez cinco prefeitos o PT três e o PSDB, um.

O PT ganhou com Darci Accorsi em 1985 (mas não levou). Esta eleição com forte suspeita de fraude confirmou Daniel Antônio (PMDB) como prefeito (ele seria sabotado pelo próprio partido, sofrendo intervenção no mandato).

Em 1988, Nion Albernaz (PMDB) derrotou Pedro Wilson (PT). Veio 1992 e Darci venceu, mas Nion voltou em 1996, dessa vez pelo PSDB.

No ano 2000, Pedro Wilson triunfou. Em 2004, Iris ganhou  repetindo a dose em 2008, desta feita com o petista Paulo Garcia na vice. Paulo depois foi  eleito em 2012. Em 2016, Iris retornou.

O histórico mostra que é natural que estes partidos com maior militantes na Capital figurem nas primeiras posições.

É preciso ressaltar:  Esta eleição municipal tende a ser  diferente do pleito presidencial de 2018, onde um ponto fora da curva venceu.

O eleitor neste ano não vai votar num “porra-lôca” depois de ter que pagar  gasolina a R$ 5,00;  arroz a R$ 40,00;  feijão a R$ 12,00 e o botijão de  gás a R$ 85,00.

O histórico de cada partido e candidato vai pesar mais do que as fake news.

Com Iris o MDB é um. Com Maguito é outro, mas continua sendo MDB que governa Goiânia e Aparecida e tem o apoio do governador Ronaldo Caiado (DEM).

Daniel Vilela, presidente estadual do MDB e o pai e pré-candidato Maguito Vilela

Adriana Accorsi trás consigo a história da exitosa administração de se pai, Darci Accorsi e dos demais prefeitos da legenda.

O saudoso Darci Accorsi viu a filha Adriana Accorsi ser eleita deputada

Francisco Júnior, cacifa-se para o segundo turno se reunir consigo o espólio do “tempo novo” (PSDB-PTB-PSD-PP-Cidadania-Solidaridade).

Francisco Júnior também é “herdeiro” do marconismo

A eleição tende a este roteiro.

Podem haver surpresas? Uma delas atende pelo nome de Elias Vaz (PSB), que foi vereador por cinco mandatos e hoje é deputado federal. Tem experiência,  é conhecido, mas tem três paredões pela frente.

kajuru e Elias Vaz já fizeram parcerias

No mais o que se vê são deputados estaduais candidatos para representar seu partidos, na busca de viabilizar as próprias reeleições, e se possível , eleger vereadores, pois a nova regra eleitoral proibe aqueles “chapões” disputa da Câmara Municipal. Neste ano cada partido tem que lançar chapa completa.

 

Números

Francisco Júnior tem 10%, Major Araújo (PSL), 7%.  Empatados com 6% estão: Alysson Lima (Solidariedade) e EliasVaz (PSB).  A professora Manu Jacob do PSOL tem 4%;  Na casa dos 3% Talles Barreto (PSDB) e Virmondes Cruvinel (Cidadania);  com 2%  Drª Cristina (PL); Fábio Júnior (UP), Paulinho Graus (PDT) e Wilder Morais (PSC.) No registro com 1% Charles Bento (PRTB); Eduardo Prado (PV); Felizberto Tavares (Podemos) e Maria Ester (Rede); 4% – Não sabiam / Não opinaram e 5% sinalizaram Voto Nulo.

 

Metodologia 

A pesquisa Fox Mappin com intenções de voto para eleições municipais em Goiânia foi realizada entre os dias 25 e 31 de agosto. Foi utilizada uma amostra de 794 entrevistados, sendo estratificada segundo a região, sexo, faixa etária acima de 16 anos, nível de escolaridade e renda familiar. O trabalho de levantamento de dados foi feito através de entrevistas em 196 bairros em sete macrorregiões da capital: Central, Leste, Noroeste, Norte, Oeste, Sudoeste e Sul. A amostra representa o nível de confiança de 95,0% para uma margem estimada de erro de 3,5 pontos percentuais para mais ou para menos nos resultados gerais. A pesquisa foi registrada junto ao Tribunal Regional Eleitoral de Goiás (TRE-GO) com o seguinte número: GO-04258/2020.

 

Com informações do jornal O Hoje