Se depender dos goianienses o Natal será de bons negócios para os lojistas da Capital. É o que indica a pesquisa relizada pelo Instituto Grupom a pedido do CDL (Clube de Diretores Lojistas). O levantamento informa que 70% dos goianenses, o que representa 568 mil consumidores, pretendem comprar presentes para os filhos (52%), pais (42%) e cônjuges (40%).

À vista
O estudo mostra que o valor médio do presente gira em torno de R$ 123,00. Os clientes, no entanto estão exigentes e atentos a valores. De acordo com o Grupom, 81% pretendem realizar pesquisa de preço e 62% pretendem pagar á vista, em busca de desconto e promoções. Um terço dos entrevistados (31%) considera que o preço dos presentes aumentou e 58%, embora endividados, não abrem mão de presentear os entes queridos no Natal. As compras a vista devem ser 45% em dinheiro e 17% em cartão de débito. O cartão de crédito deve representar 34% das compras, praticamente o dobro do ano passado, quando foi 18%. Segundo a amostra, 82% pretendem efetuar os pagamentos á vista, sem parcelas, o que pode indicar o uso do 13 salário.

Definições
O consumidor de 2018 está um pouco mais decidido que o de 2017. Nesta época do ano 87% não tinham definido o que comprar, este índice caiu agora par 81%, mas por outro lado, 81% sabem onde irão comprar os presentes, enquanto 19% ainda estão indecisos. .
Assim como no ano passado, cada goianiense pretende presentear pelo menos duas pessoas. Tomando por base o valor médio de R$ 123,00 que cada goianiense se propõe a gastar, a compra de dois presentes ficaria portanto em R$ 256,02, mas o CDL aposta que a compra por família pode chegar a quatro presentes, considerando o casal, e isto pode levar a um total de R$ 492,50 de compras, um valor 14,82% acima do ano passado, que ficou em R$ 428,00. A CNDL (Confederação Nacional de Diretores Lojistas) estima em R$ 521,6 o valor médio que os brasileiros devem gastar na compra de 4,5 presentes em média, e para o SPC Brasil, o valor médio de cada presente deve ficar em R$ 115,9.

Comércio de rua x shoppings
As compras na internet estão em baixa entre os goianienses: 86% pretendem comprar presentes em lojas físicas e 26%, via internet. Mais: o estudo revela que o movimento natalino pode ser bom para os comerciantes que tem lojas nas grandes avenidas comerciais nos bairros, como, por exemplo a 44, no Setor Ferroviário, a 24 de Outubro em Campinas, a Liberdade, no Garavelo ou a Igualdade no Jardim Nova Esperança, pois 57% afirma que irá comprar em lojas de rua enquanto 45% dizem que vão comprar nos shoppings.

Entre os consumidores que pretende comprar em lojas, 19% farão as compras no Centro, 14% na Rua 44, 9% em lojas do próprio bairro, 6% em Campinas, 4% nas feiras, 4% nos camelódromos e 0,7% na Bernardo Sayão. Daqueles que vão aos shoppings, 45% escolheram o Flamboyant e 23% o Goiânia Shopping.

A maioria dos entrevistados, (57%), disse que o preço e o principal motivo para escolha do local de compra, mais de um terço (34%) optou pelo atendimento, 30%, pela qualidade, 25% pela comodidade, 19% citaram a localização, 18% a segurança e confiabilidade, 13% ambiente/promoções/ofertas, 12%, estacionamento/variedades, 5% a indicação de amigos, 4% os cupons de desconto, 2% não souberam responder.

Tipos de presentes
Vestuário (31%), brinquedos (13%) e perfumaria (12%) estão entre os presentes preferidos pelos goianienses. Houve uma mudança de hábito neste Natal, em relação a 2017. No ano passado, pais/mães (56%) lideraram a lista de prioridade na hora de comprar o presente, neste ano os filhos (52%) tomaram a dianteira e os pais (46%) estão em segundo lugar, praticamente empatados com os cônjuges (40%). Quem também “perdeu votos” foram os namorados/noivos que tinham 14% de preferência em 2017 e neste ano caíram pela metade (7%), ficando empatados com os sobrinhos e um ponto à frente dos amigos (6%). Um total de 10% diz que pretende dar presente a outros parentes e somente 0,9% se lembraram das pessoas carentes.

 

SEGUE RELATÓRIO PESQUISA NATAL 2018