O pastor Gladiston Dinho, 58, não acreditava que a Covid-19 fosse capaz de lhe dar mais do que “uma gripe inofensiva”. Até andar pelo vale da sombra da morte.

Da Folha

Glaucoma Dinho viveu o inferno durante sua internação.

O cenário fúnebre descrito na Bíblia virou uma experiência que ele encara como “totalmente real”. “Era um lugar tenebroso, mas eu não sentia medo. Escuro para todos os lados, a única coisa clara era onde eu pisava, [o chão era] como um verme gigantesco com pelos, que se movimentava como esteira rolante de aeroporto.”

Dinho quase morreu. Duas vezes. O que era para ser uma gripezinha, conta à Folha, “complicou bastante”. Passou 51 dias na UTI de um hospital de Campo Grande (MS), onde foi entubado, submetido a uma traqueostomia e isolado após “virar um perigo para os outros pacientes” —teve dois choques sépticos quando contraiu “a pior bactéria hospitalar”.

Edição: DCM