Levantamento feito pelo jornal O Globo revela que, na sede do governo federal, de cada 100 pessoas, 13 contraíram o coronavírus.

A Presidência tem 3.500 servidores, incluindo os palácios do Planalto, da Alvorada e a Granja do Torto. Ter 460 casos nesse universo representa taxa de contaminação de 13%, duas vezes a média brasileira, de 6%, de acordo com a reportagem.

As famílias das vítimas podem processar o empregador que obrigou a participação dos servidores em 36 aglomerações durante a pandemia, apesar das recomendações contrárias de especialistas.

jornal O Globo obteve os dados por meio da Lei de Acesso à Informação. Segundo a reportagem, o Palácio do Planalto já registrou 460 casos de covid desde o início da pandemia. A maioria, no Gabinete de Segurança Institucional (GSI): 191.

No gabinete do presidente Jair Bolsonaro foram 28, inclusive ele próprio pegou covid em julho do ano passado.

Só no mês passado, 30 servidores contraíram a doença, o dobro do registrado em fevereiro: 16. Do total de 30 casos em março, 20 foram na Secretaria-Geral da Presidência. Em julho de 2020, foram 92 registros. Totalizando 460 casos.

Aglomerações propositais

Desde o início da pandemia, as agendas presidenciais foram marcadas por grandes eventos com aglomerações e muitas pessoas, entre elas o presidente Bolsonaro, sem máscara, como fica claro na cerimonia de posse de ministros no dia 24 de fevereiro.

Até o início de março, foram 36 eventos oficiais em Brasília e outras cidades com a participação do presidente Bolsonaro, sempre sem máscara.

Neste momento de pico da pandemia, com recordes diários de mortes, especialistas reforçam a importância de vacinar a população, enquanto isso, uso de máscara, distanciamento social são fundamentais para evitar a contaminação.

Íntegra da nota do Palácio sobre o assunto:

Leia a íntegra da nota da Presidência:

A Coordenação de Saúde da Presidência da República mantém a orientação para que os servidores a procurem para assistência médica quando apresentarem quaisquer sintomas relacionados à Covid-19, a fim de avaliar necessidade de testagem. Nos casos considerados suspeitos, os servidores são orientados a ficar em casa até o resultado do exame.

Desde o início da pandemia, em março do ano em curso, a Presidência da República também adotou inovações tecnológicas nos protocolos de limpeza e passou a realizar desinfecção das áreas comuns com máquinas de alta tecnologia, limpeza detalhada de equipamentos dos servidores (computadores, teclados, telefones, etc) e ampliação do fornecimento de dispenser de álcool em gel em suas dependências, anexos e adjacências.

A Presidência da República também tem promovido, desde março, orientações sobre cuidados pessoais aos servidores e colaboradores, seja por meio de painéis, e-mails ou textos informativos na intranet. Nessas orientações, tem-se destacado os cuidados com a higienização das mãos, uso correto de máscaras, distanciamento social e, inclusive, os cuidados necessários ao chegar em casa, após o trabalho.

Com cerca de um terço dos servidores em trabalho remoto (teletrabalho) ou em escala de revezamento, a Presidência da República busca continuamente manter o ambiente de trabalho o mais seguro possível e não hesitará em adotar procedimentos complementares, caso necessário.

Com informações do jornal O Globo é do Portal Vermelho