Articulistas Marcelo Zero e Joaquim Xavier advertem que governo federal aumenta riscos à população com projetos que liberam compra e porte de armas e que mudam leis de trânsito e pontuação da CNH.

Marcelo Zero tem blog próprio  e também colabora com o site Viomundo, onde comentou hoje o pacote entregue à Câmara Federal  pelo presidente Jair Bolsonaro (PLS-RJ). No artigo “Governo Bolsonaro pratica a necrofilia política” ele denuncia os perigos nas mudanças no trânsito:

“Relatório da Organização Mundial de Saúde (OMS) mostra que o Brasil aparece em quinto lugar entre os países recordistas em mortes no trânsito, atrás somente da Índia, China, Estados Unidos e Rússia.

Segundo o Ministério da Saúde, 35.374 morreram no trânsito brasileiro, em 2017.

Embora tal número seja inferior ao de 2015 (38.651 mortes) e ao de 2016 (37.345 óbitos), ainda estamos muito longe da meta de reduzir as mortes no trânsito para 19 mil, até 2020.

Além disso, os acidentes no trânsito deixaram mais de 1,6 milhão de brasileiros feridos nos últimos dez anos, e representaram um custo de cerca de R$ 2,9 bilhões para o Sistema Único de Saúde (SUS).

No entanto, o presidente Bolsonaro quer aumentar essas trágicas estatísticas, com suas “sábias” decisões de inabilitar os “pardais” em rodovias e, mais recentemente, de duplicar os pontos necessários na carteira de habilitação para a sua suspensão”, adverte.

Incentivo à morte

Joaquim Xavier, que escreve para o Conversa Afiada, também questiona a política presidencial de incentivo à compra e liberação   de armas,  no artigo, “Governo é homicida patológico”:

A famiglia Bolsonaro acaba de mandar ao Congresso um projeto para aumentar a carnificina nas ruas e rodovias:

— dispensa o uso de cadeirinhas para crianças mesmo nos bancos da frente;
—  dobra de 20 para 40 o número de pontos que podem levar à suspensão da CNH;
— livra de exames toxicológicos motoristas obrigados a viajar à base de psicotrópicos para cumprir jornadas desumanas dirigindo jamantas nas estradas;
— suaviza multas, desliga radares e ameniza a punição para quem dirigir com luz baixa
— pretende liberar de inspeção veículos cujos motoristas não atestarem que os recalls a que forem convocados consertaram os defeitos reconhecidos pelas próprias montadoras.

Recuando um pouco atrás:

— o governo baixou um decreto que espalha armas a granel;
— facilitou concessão de exercícios de tiro para menores de idade;
— ampliou o número de posse de armas por cidadão, incluindo até categorias como jornalistas!

São tempos difíceis