O  Paraná Portal revela que o carnaval do médico Rogério Augusto Perillo terminou na cadeia, preso por desacato e por não prestar atendimento numa unidade de saúde em Guaratuba.

Segundo informa o Paraná Portal, Rogério Perillo é o mesmo médico que “em 2013, foi o autor de postagem nas redes sociais ao denunciar o prefeito da cidade goiana de Trindade por dizer que havia sido demitido por causa da chegada dos médicos cubanos. Ele, que se dizia parente do ex-governador Marconi Perillo, chegou a ser candidato a deputado federal em 2014 pelo seu estado de origem”.

Confusão

O site paranaense salienta que o médico Rogério Augusto Perillo, “armou o maior escarcéu no Pronto Socorro Municipal da cidade. Só não obteve sucesso total na sua intenção de chamar a atenção da sociedade e da mídia, ao protestar diante de pacientes à espera de atendimento por estar c om salários atrasados há mais de 60 dias, porque a polícia interveio e o levou em cana. Foi esperneando, pedindo socorro, numa cena dantesca, para não dizer bizarra”, registra.

Reportagem feita pelo G1 Parana mostra que em um vídeo gravado dentro da unidade de saúde, o plantonista afirmou que não negaria atendimento aos casos graves.

 

“Se chegar morrendo eu vou atender. Se chegar com febre eu vou atender. Se chegar grave, vai ser atendido. Só não vai ser atendido consulta de posto como estava sendo feito anteriormente”, disse.

No momento em que estava sendo detido por policiais militares, do lado de fora do pronto-socorro, ele gritou por socorro e relatou novamente que estava sem receber. Ninguém interferiu na ação dos policiais.“Sessenta dias sem receber. Colocando eu aqui, ó, preso, algemado, algemado. Socorro, socorro. São sessenta dias sem receber. Fazendo isso comigo. Estão me levando preso porque eu estou querendo receber meu dinheiro. Socorro, socorro, pessoal”, gritou.

Prefeitura

A prefeitura informa que o médico é contratado de uma empresa terceirizada da prefeitura e, sequer está em situação regular no Estado. A cena protagonizada já faz parte de seu repertório de tentativa de chamar a atenção do público. . Em nota, a Prefeitura de Guaratuba afirmou que o médico não é funcionário do município e que é contratado por uma empresa terceirizada, Exalife por meio do Consórcio Intermunicipal de Saúde do Litoral do Paraná (Cislipa), contratada especialmente para os atendimentos durante a Operação Verão”,informa.

A administração municipal também ressaltou que os pagamentos foram repassados para a empresa e que o pagamento seria de responsabilidade da mesma. Por fim, a prefeitura garantiu que já fez a substituição do médico e que o atendimento no Pronto Socorro já está normalizado.

Empresa se manifesta

A empresa Exalife Serviços Médicos se manifestou, por meio de nota, nesta terça-feira (5). “Informamos, por fim, que rechaçamos veementemente a conduta praticada pelo profissional Dr. Rogerio Augusto Perillo, cuja manifestação é mentirosa e equivocada e que foram providenciadas todas medidas judiciais e administrativas cabíveis quanto aos fatos ocorridos”, diz um trecho da nota.

Nota a defesa do médico
“A defesa entende que houve um excesso por parte das autoridades envolvidas na condução do médico Rogério Perillo, tendo em vista que o profissional se encontrava em seu local de trabalho e foi submetido a situação vexatória com uso de algemas perante seus pacientes que se encontravam naquela unidade de pronto atendimento.

O médico Rogério Perillo na situação desagradável de estar a mais de 60 dias sem receber e após diversas tentativas administrativas frustradas, não encontrou outra saída a não ser exercer seu direito Constitucional de liberdade de expressão, expondo a situação aos populares que ali se encontravam.

A acusação que o médico teria negado atendimento trata-se de uma acusação mentirosa, que foi inclusive demonstrada através de vídeos gravados por populares e expostos em redes sociais, onde o médico afirma que não negaria atendimento.

A defesa confia na justiça e em suas autoridades e tem plena certeza que a inocência do Dr. Rogério Perillo restará plenamente demonstrada.

(Com informações do  G1 e do Paraná Portal).