Os partidos de oposição na Câmara querem esclarecimentos sobre as denúncias de irregularidades na importação da vacina indiana Covaxin pelo governo federal.

Para isso, vão protocolar representação junto ao Ministério Público Federal (MPF) e ao Tribunal de Contas da União (TCU). Os líderes dos partidos também irão convocar o ministro da Justiça, Anderson Torres, para apurar se o presidente Jair Bolsonaro levou o caso até o MPF e se a Polícia Federal abriu inquérito para investigar tais irregularidades.

Em entrevista à CNN nesta quarta-feira (23), o deputado Luís Miranda (DEM-DF) afirmou que apresentou pessoalmente a Jair Bolsonaro “provas contundentes” de irregularidades na compra da vacina indiana Covaxin. E que o “presidente sabia que havia crime” no processo de aquisição.

Deputado levou irregularidades da Covaxin a Bolsonaro: ‘Ele sabia que havia crime’

O deputado é irmão de Luis Ricardo Miranda, chefe de importação do Departamento de Logística em Saúde do Ministério da Saúde. Segundo o parlamentar, Bolsonaro tinha conhecimento dos problemas e teria ficado “convencido”, após a denúncia de Luis Miranda, que se comprometeu a acionar a Polícia Federal.

Irregularidades na Covaxin

As lideranças também deverão pedir a convocação do ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, para que esclareça as condições em que foi realizada a compra do imunizante.

A oposição planeja também propor a instalação de uma CPI da Corrupção na Saúde, para que a Câmara possa avançar nas investigações destas irregularidades. “As denúncias de corrupção na importação da Covaxin são gravíssimas. É preciso esclarecer quais medidas foram tomadas após a comunicação dos fatos ao presidente da República e quem são os envolvidos no esquema. Por isso, vamos representar ao MPF, ao TCU, convocar os ministros da Justiça e da Saúde e coletar assinaturas para a CPI da Corrupção na Saúde”, disse o líder da Oposição na Câmara, deputado Alessandro Molon (PSB-RJ).