Deputados federais de PT, PSOL, PDT, PSB e PCdoB oficializaram nesta terça-feira 5/XI o pedido de representação no Conselho de Ética da Câmara contra o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), após suas ameaças sobre um novo AI-5 em caso de “radicalização da esquerda”. A denúncia dos parlamentares sustenta que Eduardo faz apologia à ditadura militar. Por isso, eles defendem a cassação do filho 03 de Jair Bolsonaro.

Mais cedo, o perfil do PSOL no Twitter antecipou

Deputados da oposição vão protocolar pedido de cassação do mandato de Eduardo Bolsonaro no Conselho de Ética da Câmara nesta tarde. Não aceitaremos falas como as do “novo AI-5”. Com a democracia não se brinca!

Ver imagem no Twitter
Novo AI-5

Na semana passada, em entrevista ao canal de Leda Nagle no YouTube, Eduardo disse que “vai chegar um momento em que a situação vai ser igual ao final dos anos 60 no Brasil”.

“E uma resposta, ela pode ser via um novo AI-5, pode ser via uma legislação aprovada através de um plebiscito como ocorreu na Itália… Alguma resposta vai ter que ser dada. Porque é uma guerra assimétrica, não é uma guerra em que você está vendo o seu inimigo do outro lado e você tem que aniquilá-lo como acontece nas guerras militares. É um inimigo interno, de difícil identificação aqui no País. Espero que não chegue a esse ponto, né, mas a gente de que estar atento”.

Horas depois da divulgação do vídeo, tentou recuar. Mas continuou a cobrar repressão à esquerda.

“Eu talvez tenha sido infeliz em falar no AI-5, porque não existe qualquer possibilidade de retorno do AI-5, mas, nesse cenário [de manifestações como no Chile], o governo tem que tomar as rédeas da situação. Não pode, simplesmente, ficar refém de grupos organizados para promover o retorno. […] Não convém a mim a radicalização”afirmou em entrevista ao Brasil Urgente, da TV Band.

Fonte: Site Conversa Afiada.