Ordem diz que ministro da Justiça “banca de  chefe de quadrilha” no caso da prisão dos hackers, Ciro diz que Moro deveria ser preso por defender destruição de provas.

O ex-candidato a presidente Ciro Gomes usou suas redes sociais para denunciar as arbitrariedades cometidas pelo ministro da Justiça, Sergio Moro, que defendeu a destruição de provas dos hackers de Araraquara (SP), presos pela Polícia Federal:

“É um dos casos clássicos de prisão preventiva: art.312 do código de processo penal: destruir provas”, apontou Ciro.

OAB reage

O presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Felipe Santa Cruz, afirmou que o ministro da Justiça, Sérgio Moro, atua como “chefe de quadrilha ao dizer que sabe das conversas de autoridades que não são investigadas”.

A reação de Felipe Santa Cruz veio na esteira da revelação de que Moro telefonou para autoridades que teriam alvo dos supostos hackers presos pela Polícia Federal esta semana e informou que as mensagens obtidas seriam destruídas para que a privacidade delas fosse preservada.

“Usa o cargo, aniquila a independência da Polícia Federal e ainda banca o chefe de quadrilha ao dizer que sabe das conversas de autoridades que não são investigadas”, disse Santa Cruz.

Segundo a coluna da jornalista Mônica Bergamo. Moro teria conversado sobre o assunto com o presidente Jair Bolsonaro, com o presidente do Supremo Tribunal Federal, Dias Toffoli, além dos presidentes da Câmara e do Senado, Rodrigo Maia e Davi Alcolumbre, respectivamente.

Com informações da Folha e Brasil 247