Deputado tucano critica governador do Estado, que segundo ele,  inaugura obras dos antecessores sem lhes dar o devido crédito

Gustavo Sebba
Sem nada para entregar ao eleitor de Goiás, o governador Ronaldo Caiado começou 2021 repetindo o principal expediente dos seus dois primeiros anos de mandato: usurpando o legado de seus antecessores.

O mais recente “feito” do governador é a inauguração da Policlínica Regional de Goianésia. De fato, a unidade representa um avanço ao Vale do São Patrício, todavia, justiça seja feita, o crédito deve ser dado aos governadores Marconi Perillo e José Eliton, que idealizaram e materializaram a conquista para a saúde pública do Estado.

Convém esclarecer que a policlínica “inaugurada” na última terça-feira por Caiado foi entregue ainda em março de 2018 por Marconi Perillo. Na ocasião, Marconi finalizou a obra, então denominada Unidade de Saúde Especializada (USE) e a entregou juntamente com o Centro de Referência e Excelência em Dependência Química de Goianésia (Credeq). É espantoso que Caiado tenha levado quase três anos para liberar a unidade para atendimento à população.

De igual modo, o governador José Eliton, ao assumir o governo, deu seguimento às obras das demais policlínicas e as entregou, quando não concluídas, em estágio avançado, razão pela qual também colhe os louros dessa conquista.

Independente de reconhecimento, estou certo de que ambos estão felizes de ver seus esforços convertidos em benefício à população, mas a usurpação nos indigna. Não é a primeira vez que Caiado se apropria de feitos alheios. O governador cotidianamente toma para si o mérito pelo trabalho de outros em áreas como segurança, educação e assistência social.

Na saúde, foi emblemática a “inauguração” da policlínica de Posse, herdada pelo atual governador com 95% de conclusão.

Por conveniência política, Caiado retarda a conclusão das obras para que elas sejam entregues à população na metade final do seu mandato, garantindo palanque antecipado para a sua tentativa de reeleição.

Além de Posse e Goianésia, Caiado já prometeu repetir esse expediente em outras quatro policlínicas em 2021.

Enquanto as inaugurações se ajustam à agenda política do governador, milhares de goianos sofrem com a falta de atendimento médico especializado.

É importante que um gestor público dê prosseguimento ao que vinha sendo desenvolvido por quem o antecedeu, mas é cortês e digno que ele reconheça e compartilhe o mérito do trabalho. Não age assim Caiado, pelo contrário. Suas palavras não são honestas com o cidadão goiáno e escondem o vazio do seu mandato, pautado exclusivamente pela usurpação de legados e pelo desmonte de políticas públicas bem sucedidas.

Caiado se revelou um típico demagogo ao eleitorado. Se realmente estivesse preocupado com a saúde, não estaria se contradizendo todos os dias no trato da pandemia. Se Caiado realmente defendesse a regionalização da saúde pública em Goiás, já estariam abertas para atendimento todas as policlínicas herdadas por sua gestão, mas o governador prefere criar obstáculos ao seu competente secretário e o qualificado time de servidores efetivos da Secretaria de Estado da Saúde.

Por fim, ressalto o legado das administrações do PSDB para a saúde de Goiás, pois é sempre válido recordar os frutos de um bom trabalho. Construímos hospitais de urgência e emergência em Goiânia (duas unidades), Trindade, Aparecida de Goiânia, Anápolis e Santa Helena de Goiás, recuperamos o Hospital Geral de Goiânia e o Hospital de Doenças Tropicais, hoje reconhecidos nacionalmente, criamos o CRER, o primeiro hospital do país para reabilitação, e os Credeqs de Aparecida de Goiânia, Goianésia e Quirinópolis para recuperação de dependentes químicos. Além das seis policlínicas herdadas pelo atual governador, localizadas em Posse, Goianésia, Cidade de Goiás, São Luís dos Montes Belos, Formosa e Quirinópolis, também planejamos e avançamos na construção de três hospitais regionais em Uruaçu, Santo Antônio do Descoberto e Águas Lindas de Goiás, e os Credeqs de Morrinhos e Caldas Novas. Torço para que o governador Caiado se inspire nesse legado e perceba que somente o trabalho transforma. Discursos vazios em nada contribuem para resolver os problemas da nossa saúde pública.

Gustavo Sebba é médico e deputado estadual no exercício do segundo mandato pelo PSDB