Em seu site, “Socialista Morena” a jornalista Cynara Menezes faz um paralelo entre o desmonte à ciência brasileira no governo atual e a caça aos cientistas no período ditatorial.

Em apenas sete meses de governo, o presidente de extrema direita Jair Bolsonaro já coleciona diversos ataques à ciência brasileira. Em abril, duvidou dos números do IBGE em relação ao desemprego; em maio, censurou a divulgação de uma pesquisa nacional sobre drogas elaborada pela Fiocruz; e agora demitiu o diretor do Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais), Ricardo Galvão, simplesmente porque não aceita que o desmatamento, em sua gestão, disparou.

O instituto apontou que o desmatamento na Amazônia, em quilômetros quadrados, aumentou 34% em maio, 91% em junho e 125% em julho em relação aos mesmos meses em 2018. Quer dizer, em vez de trabalhar para impedir que o desmatamento avance, como fizeram os governos petistas, o presidente optou por esconder os dados, demitindo o responsável por eles. Detalhe: o monitoramento é feito por satélite. Bolsonaro duvida de imagens feitas por satélite.

Ao atacar cientistas, o governo dá sinais de que irá repetir a perseguição a cientistas empreendida pela ditadura militar. Após o golpe, em 1º de abril de 1964, os militares se insurgiram contra o Instituto Oswaldo Cruz (IOC), antigo nome da Fiocruz, interrompendo pesquisas, impondo um diretor fiel ao regime, controlando as atividades dos pesquisadores com a presença ostensiva de militares no campus e cortando verbas. Muitos cientistas foram arrolados em inquéritos, sob o pretexto de se apurar atos de “subversão” e “corrupção”. A instituição foi sucateada: na década de 1960, contava com aproximadamente 140 pesquisadores; em 1974, esse número caiu para a metade.

No dia 1º de abril de 1970, sem que nenhuma acusação tivesse sido provado contra eles, dez cientistas do Instituto Oswaldo Cruz foram cassados pela ditadura com base no AI-5. Tiveram seus direitos políticos suspensos e foram impedidos de trabalhar no instituto e em outras instituições federais. O episódio é conhecido como O Massacre de Manguinhos, referência ao bairro onde está localizado o instituto e título do livro de Herman Lent publicado pela primeira vez em 1978, às vésperas da anistia, relançado em maio pela Fiocruz também em versão digital, que pode ser baixada gratuitamente.

 

Leia mais no site Socialista Morena