Entrevista do presidente da Fieg à coluna Giro de O Popular mostra que falta materialidade naquilo que se propõe.

Marcus Vinícius de Faria Felipe

 

O presidente da Federação das Indústrias do Estado de Goiás, Sandro Mabel, defende com entusiasmo a candidatura do prefeito Gustavo Mendanha (MDB) ao governo do Estado. Mabel disse em entrevista ao jornalista Caio Henrique Salgado, da coluna Giro, de O Popular, que “Mendanha recebeu 18 convites de filiação e tem condições de escolher qualquer um deles”.  Mais à frente Mabel sugere que “o partido (MDB ) escolhe onde quer andar e a gente também escolhe”.

Não pesa sobre Mabel a responsabilidade de governar a segunda maior cidade de Goiás, e por isto é fácil para ele dar pitacos.

Mabel  está fora das lides político-partidárias desde 2014, quando encerrou seu mandato de deputado federal. Neste período em que esteve fora da política, Mabel apoiou a eleição de outros deputados federais entre eles  os empresários Alexandre Baldy (PP) em 2014 e Glaustin da Focus (PSC) em 2018. Desde então Mabel tem se dedicado  às demandas classistas à frente da Fieg, e por conta desta nova militância, tem tido divergências com o governo do Estado.

É preciso saber se entusiasmo de Mabel se reverte em voto e apoios, ou é apenas mais uma das bravatas que trava com o governador Ronaldo Caiado (DEM).

Chegar ao Palácio das Esmeraldas não é fácil. Se assim fosse, o próprio Mabel teria tentado. Vale lembrar que as suas experiências em campanhas para o Executivo não foram exitosas. Em 1992, foi o candidato do PMDB à prefeitura de Goiânia, com apoio do governador Iris Rezende e do prefeito Nion Albernaz. Perdeu para o professor Darci Accorsi. Em 1998 foi um dos coordenadores da campanha de Iris Rezende ao governo do Estado. O resultado todos sabem.

É preciso ter cautela nas declarações.

As boas campanhas de candidatos de oposição se fazem nos bastidores. Roberto Balestra (PP), que preparou o terreno para candidatura de Marconi Perillo (PSDB) ao governo do Estado em 1998 diz que “política é bico calado e pé ligeiro”.

Até  por que de boas intenções o inferno está cheio.