Nesta terça-feira, prefeito confirma se disputa a reeleição ou se encerra a carreira de 62 anos na política. Minha aposta: Iris anuncia chapa com Maguito.

Marcus Vinicius de Faria Felipe

Na história do Brasil o Dia do Fico corresponde ao dia 9 de janeiro de 1822, quando  príncipe regente D. Pedro I declarou que não cumpriria as ordens das Cortes portuguesas, que exigiam sua volta a Lisboa, ficando no Brasil. Pedro ficou e no dia 7 de Setembro daquele mesmo ano proclamou a Independência do Brasil, tornando-se Pedro I Imperador do Brasil.

O prefeito Iris Rezende tem hoje o seu “Dia do Fico”. Ele pode anunciar nessa terça-feira se disputa a reeleição ou se encerra sua vitoriosa carreira política iniciada em 1958 quando foi eleito o vereador mais votado em Goiânia.

Não é a primeira vez que Iris gera expectativa sobre sua continuidade na política. Em 2002, após perder a reeleição ao Senado Iris deu a entender que encerrava alí a disputa por mandatos. Passou a se dedicar a política partidária organizando o PMDB, como presidente da legenda, para as eleições municipais de 2004. Chegou a indicar o engenheiro Flávio Peixoto para vice do prefeito Pedro Wilson (PT). Não houve acordo, e movido pelo PMDB,  Iris foi lançado candidato e venceu as eleições.

Reelito em 2008, agora com apoio do PT, assumiu em 2010 candidatura ao governo do Estado, chegando so segundo turno, mas sem atingir o objetivo de retornar ao Palácio das Esmeraldas.

Em 2014, com a desistência de Júnior Friboi, foi içado novamente a candidatura ao governo, desta feita em aliança com Ronaldo Caiado (DEM), que foi candidato ao Senado. Iris elegeu o aliado para o Senado, pavimentando o caminho que o levari ao governo do Estado em 2018.

Nas eleições de 2016 Iris Rezende só confirmou sua candidatura na undéssima hora. Foi um pleito difícil, com cinco adversárioscompetitivos: Vanderlan Cardoso (PSB), Delegado Waldir (PR), Francisco Junior (PSD) e Adriana Acvorsi (PT). Iris venceu Vanderlan no segundo turno e chegou so seu quarto mandato.

O cenário é semelhante. Iris tem a sua frente  cinco adversários  novamente: Adriana Accorsi (PT),  Elias Vaz (PSB), Francisco Jr. (PSD), Wilder Moraes (PP) e Talles Barreto (PSDB). A diferença é que desta vez é candidato a reeleição e tem o apoio do governador Ronaldo Caiado (DEM).

Comenta-se que a família desaconselha Iris a continuar na política, considerando sua idade e o peso da responsabilidade que carrega sobre a sua biografia. Se for reeleito, confirma o favoristo, mas se não for, terminaria a carreira com uma derrota.

Me lembro da entrevista que fiz com Iris em 2002, semanas após o seu insucesso na eleição para o Senado. Iris estava tranquilo, com a serenidade daqueles que combateram o bom combate. Disse que as derrotas de 1998 e daquele ano o completaram como ser humano, pois lhes trouxeram aprendizados.

Não creio que Iris se aposente da política. Não o vejo em casa cuidando de netos. Nestes dias de pandemia, vejo a dor de Iris de não podef abraçar as pessoas, de se misturar ao povo como lhe é peculiar. Iris está mais oara aqueles grandes atores, como Procópio Ferreira, que morrem no pslco, atuando, do que nos que se acolhem no asilo dos artistas.

Vejo Iris candidato com o ex-prefeito e ex- governador Maguito Vilela na vice. Acho que está aí o grande “intindimento” do MDB.