Patriota pode ser o destino do presidente que está sem partido desde que brigou com o PSL, legenda que o elegeu em 2018. Em vídeo, durante debate na Band, Bolsonaro e Daciollo criticavam centrão, que agora é o sustentáculo do presidente.

Por Helena Chagas, do Jornalistas Livres

Seria quase inimaginável supor que um presidente da República, no pleno exercício de suas funções e candidato à reeleição, não conseguisse criar um novo partido político num país que tem tantos. Mais impensável ainda seria que o tal governante, depois de distribuir verbas para obras e cargos em profusão, não conseguisse se filiar à legenda que lhe aprouvesse nessa base beneficiada. Assim foi, porém, com Jair Bolsonaro. Fracassou em criar o Aliança, foi barrado no PP e está a caminho de uma legenda nanica e enrolada, o Patriota — que também entrou em guerra interna por causa dele..

O conflito é uma característica do desagregador Bolsonaro, que só sabe se movimentar politicamente brigando. Saiu do PSL atirando e atirando deve entrar em sua nova legenda. Mas a situação atual mostra bem mais do que isso, e quem não quer ver o rei nu que tape os olhos. O presidente da República ainda não se filiou a um partido porque nenhuma das legendas de primeira linha do país — aquelas que possuem estrutura no país e bancadas ao menos médias no Congresso — quer saber dele.

Não é apenas porque Bolsonaro é um encrenqueiro, e exige controlar seu novo partido, que ninguém o quis. É também, e sobretudo, porque muita gente não leva fé em sua reeleição. Mesmo o aliado PP, que teve seu apoio para eleger Arthur Lira presidente da Câmara, e hoje frequenta a copa e a cozinha do Planalto, facilitou a articulação do entorno do presidente para levá-lo para o partido. Os cabelos dos setores nordestinos do PP, onde há preferência geral por Luiz Inácio Lula da Silva, se arrepiaram ao ouvir falar na possibilidade.

Seus caciques, como Lira e o senador Ciro Nogueira, deram sorrisos amarelos e saíram e fininho diante da possibilidade de filiação do presidente e de seus filhos. Desfrutam das benesses do governo, mas querem marchar livres, leves e soltos para 2022. Alguém duvida que, num eventual novo governo do PT, eles estarão lá?

Pois é, a política é assim. Mas, em favor dos antecessores, pode-se dizer que nunca antes neste país um presidente da República teve vida partidária tão enrolada. O novo lar, o Patriota, é o antigo PEN, Partido Ecológico (?) Brasileiro, que nunca deu muita bola para o meio ambiente e cujo principal dirigente, Adilson Barroso, é alvo de acusações de ter destinado verbas do fundo partidário a familiares.

Se realmente chegar a se filiar, o presidente da República terá como companheiro o Cabo Daciolo e uma bancada de seis deputados na Câmara – isso se nenhum deles debandar com a sua chegada.

 

 

Matéria republicada pelo DCM

 

Leia também:

 

A exemplo de outros partidos, PP nega filiação a Bolsonaro